Províncias

Mulheres devem aderir a plano de saúde

O rei Ekuikui V, do município do Bailundo, no Huambo, Armindo Francisco Kalupeteca, pediu na terça-feira às populações para aderirem em massa ao programa de saúde da mulher nas comunidades, de forma a diminuir o índice de mortalidade naquela circunscrição.

O apelo foi expresso durante o acto que marcou a abertura do programa “Saúde da mulher nas comunidades”, de iniciativa do Secretariado Nacional da Organização da Mulher Angolana (OMA), através do qual, durante dez dias, vão ser assistidas mais de 41 mil pessoas em ginecologia, obstetrícia, pediatria, cardiologia, medicina interna, clínica geral e planeamento familiar.  O rei do Bailundo pediu, ainda, às autoridades tradicionais para mobilizarem as populações das aldeias e ombalas para aderirem a este programa de saúde, para se obter o êxito pretendido de melhorar a qualidade de vida das comunidades do Bailundo.
Armindo Francisco Kalupeteca elogiou a iniciativa do Secretariado Nacional da OMA, de proporcionar assistência médica e medicamentosa às populações da sua área de jurisdição, com ênfase para as actividades de promoção e prevenção sanitária, tendentes a reduzir o elevado índice de mortalidade materno-infantil. O administrador do Bailundo, Irineu Sacaála, também louvou a iniciativa.
“Apelo às autoridades tradicionais no sentido de contribuírem para a sensibilização das populações da comuna de Luvemba, no sentido de aderirem em massa às consultas, para se diminuir a taxa de mortalidade no seio das comunidades”, disse.
O administrador  municipal do Bailundo referiu que a malária, o sarampo, conjuntivite e as doenças diarreicas lideram a lista das principais doenças que afectam principalmente as crianças de Luvemba, nesta época do ano.

Tempo

Multimédia