Províncias

Municípios do Mungo e Londuimbali com mais bras

Estácio Camassete | Mungo

O governador do Huambo, Fernando Faustino Muteka, inaugurou sábado, no município do Mungo, uma escola do segundo ciclo do ensino secundário, com 20 salas de aulas, numa acção que se insere no quadro do Programa de Investimentos Públicos.

Alunos no Mungo com melhores salas
Fotografia: Paulo Mulaza

O governador do Huambo, Fernando Faustino Muteka, inaugurou sábado, no município do Mungo, uma escola do segundo ciclo do ensino secundário, com 20 salas de aulas, numa acção que se insere no quadro do Programa de Investimentos Públicos.
 O chefe de repartição municipal da Educação, Domingos Kalei, afirmou que o empreendimento, construído em 12 meses, vai acomodar 2.700 alunos em três turnos.
Com a inauguração da referida escola, o Mungo passa a ter 37 escolas, que acolhem alunos da iniciação à 12ª classe. No presente ano lectivo, estão matriculados 27 mil alunos e 611 professores garantem o ensino.
O soba Gabriel Sambundo disse que a entrega desta escola constitui uma grande satisfação para a população da região, por ser a primeira da sua história. “É uma grande alegria para toda a população do Mungo”, disse, reconhecendo o esforço do Executivo “para acomodar melhor os nossos filhos e netos”.
Laura Sambuiyo, aluna da 11ª classe, disse que nova escola era um grande ganho para o município e os seus habitantes.
O pastor Filipe Martins, da Igreja Evangélica Congregacional de Angola (IECA), disse que a satisfação das pessoas é maior porque muitos alunos estudavam em condições precárias.
O governador Faustino Muteka entregou no mesmo dia, no município do Londuimbali, o Hospital Municipal, construído em nove meses, com capacidade para  60 camas. Completamente equipado, o novo hospital tem como novos serviços o Raio X, hemoterapia, bloco operatório, oftalmologia, morgue, neonatologia e berçário. O seu funcionamento vai ser assegurado por três médicos e 36 enfermeiros.
Com a inauguração do Hospital Municipal, os habitantes do Londuimbali vão deixar de depender da comuna do Alto Hama, onde funcionava uma unidade de referência que servia para acudir pacientes da região.
A enfermeira Sandra manifestou a sua alegria, afirmando que a entrega desses serviços demonstra a preocupação do Executivo  em colocar  cuidados médicos de qualidade cada vez mais próximo do cidadão.

Tempo

Multimédia