Províncias

Nhemba em pânico com ataques dos leões

José Chaves| Andulo

Os Leões estão a provocar pânico às populações da povoação do Nhemba, nas margens do rio Cutato, a Norte, da comuna de Calussinga - no município do Andulo. Faustina Bundo, a administradora comunal, pôde explicar ontem à imprensa, que o fim do conflito armado, criou condições, para que os animais selvagens, regressassem às áreas mais próximas das comunidades, que haviam abandonado durante o conflito.

No período da noite os felinos circulam nas áreas periféricas das aldeias onde as populações instalaram as suas lavras
Fotografia: Jornal de Angola

Os Leões estão a provocar pânico às populações da povoação do Nhemba, nas margens do rio Cutato, a Norte, da comuna de Calussinga - no município do Andulo. Faustina Bundo, a administradora comunal, pôde explicar ontem à imprensa, que o fim do conflito armado, criou condições, para que os animais selvagens, regressassem às áreas mais próximas das comunidades, que haviam abandonado durante o conflito.
A responsável disse que ao perseguir outros grandes mamíferos, os felinos circulam por áreas periféricas das aldeias - onde as populações instalaram as suas lavras, à procura de presas, principalmente no período da noite.
A administradora da comuna de Calussinga, pediu às populações que evitassem fixar residência nas lavras, durante o período do cultivo - tendo em conta, o perigo que correm ao se instalarem nesses locais. Faustina Bundo apelou igualmente aos populares, no sentido de não abaterem de forma indiscriminada os referidos animais selvagens, uma vez que há necessidade de conservar a fauna.
Nesta zona do território nacional, saliente-se, muitos habitantes se dedicam à caça de animais selvagens, tendo em conta que o município do Andulo possui uma variada fauna, onde se destacam os leões, elefantes, veados, hipopótamos, lebres. A região do Andulo faz parte da reserva natural do Luando. Os habitantes de Calussinga praticam maioritariamente a agricultura de subsistência.

Impacto das calamidades

Os membros do conselho provincial de auscultação e concertação social estiveram ontem reunidos no Cuito, no quarto encontro ordinário, para, entre outros assuntos, analisar os resultados das calamidades a nível da região.
De acordo com a agenda de trabalhos a que Angop teve acesso, foi apreciado o relatório de actividades desenvolvidas no terceiro trimestre de 2010.
 Além disso, foram analisados o programa de execução de investimentos públicos referente ao terceiro trimestre deste ano e        apreciado o relatório sobre a situação das botijas de gás cloro enterradas na Estação de Tratamento de Água (ETA) do Cangalo, localizada nos arredores da cidade do Cuito. O conselho apreciou ainda o relatório trimestral de balanço da facturação da água na cidade do Cuito, o programa da reposição de viaturas destruídas pela guerra ao serviço do Estado, o evoluir do programa do crédito agrícola e a situação da raiva na província.  A IV reunião ordinária do conselho provincial de auscultação e concertação social foi orientada pelo governador do Bié, Boavida Neto.

Tempo

Multimédia