Províncias

Óbitos por malária no Mungo registam baixa considerável

Justino Vitorino| Mungo

O número de mortes registadas por malária no Hospital Municipal do Mungo, na província do Huambo, anteriormente calculado entre 15 e 20 óbitos por mês, reduziu nos últimos dias para sete, em função das várias campanhas de sensibilização, disse ontem o administrador da maior unidade sanitária do município.

Hospital melhora assistência médica
Fotografia: Eduardo Pedro|Edições Novembro

José Candieiro disse que para se evitar a propagação da doença, a população foi sensibilizada sobre a importância do saneamento do meio, construção de latrinas e o uso frequente de mosquiteiros, sobretudo para as mulheres grávidas e crianças menores de cinco anos.
“As campanhas de sensibilização e palestras levadas a cabo pelas autoridades sanitárias junto das comunidades nas escolas e igrejas vão prosseguir, para que às populações criem o hábito de se dirigirem aos centros hospitalares” sustentou.
Das medidas, constam ainda a ampliação dos serviços de saúde, apetrechamento das unidades sanitárias com medicamentos e meios necessários para o atendimento dos doentes.
O administrador da unidade sanitária  referiu que a ideia é procurar atingir metas  ambiciosas, com cifras cada vez mais baixas. Para isso, anunciou a construção de mais postos e centros saúde de referência nos próximos tempos, com vista a aproximar os serviços de saúde à população.
Actualmente, a rede sanitária do município é sustentada por um hospital municipal, único centro de referência, e um centro de saúde, localizado na comuna de Cambuengo. A unidade tem capacidade de internamento para seis doentes e está equipada com meios sofisticados. Além de atenderem pacientes da sede e dos arredores, presta também assistência médica a doentes das aldeias e ombalas distantes.
 José Candieiro disse que, apesar dos avanços registados nos últimos tempos, há toda a  necessidade de expandir-se a rede sanitária para as aldeias mais distantes das duas sedes e aumentar o quadro técnico e do pessoal de apoio, que considera muito abaixo do desejado para dar respostas à procura.

Consultas externas

Na região, as doenças diarreicas agudas, respiratórias, malária, parasitoses intestinais e bronquite são as mais frequentes. Os serviços de saúde dispõem de consultas externas, pediatria, maternidade, cirurgia, banco de urgência, puericultura, laboratório e farmácia.   
Desde Janeiro último até à data presente, foram efectuados 63 partos na secção da maternidade do hospital municipal e, deste número, nenhum resultou em óbito. A área de pediatria assiste em média diária entre 70 e 80 crianças.

Tempo

Multimédia