Províncias

Paraíso no rio Cuito votado ao abandono

O rio Cuito no Chipeio ramifica-se em seis pequenos riachos, criando recantos encantadores, com areais e arbustos. Desde 1912 que os fundadores da cidade do Huambo descobriram aquele paraíso e aos fins-de-semana faziam lá piqueniques.

O rio Cuito no Chipeio ramifica-se em seis pequenos riachos, criando recantos encantadores, com areais e arbustos.
Fotografia: João Constantino

O rio Cuito no Chipeio ramifica-se em seis pequenos riachos, criando recantos encantadores, com areais e arbustos. Desde 1912 que os fundadores da cidade do Huambo descobriram aquele paraíso e aos fins-de-semana faziam lá piqueniques.
O administrador Ventura Filipe conta que a Ilha dos Amores sempre foi um local de festas, sobretudo das autoridades tradicionais. “Um dia um colono vindo de Benguela, conheceu o lugar onde os sobas faziam as suas festas e levou a mensagem para Benguela. Nessa época havia excursões desde o litoral até à Ilha dos Amores.
Quando os operários que assentavam os carris do caminho-de-ferro de Benguela fundaram a cidade do Huambo, fizeram na Ilha dos Amores travessias em pedra e construíram lá um jango”, contou o administrador acrescentando que foi nessa altura que o local recebeu o nome de Ilha dos Amores. O tempo e a falta de conversação estão a degradar a Ilha dos Amores. Há empresários interessados em construir naquele paraíso um complexo turístico.
Mas primeiro é preciso reconstruir a rede viária.  Ninguém tem autorização para erguer ali construções de qualquer espécie e ainda bem. No cacimbo a Ilha dos Amores recebe milhares e turistas que a custo zero gozam da beleza do lugar, que pode ser uma importante fonte de receitas para o país.
Há poucos países do mundo com locais como as ilhas que se formaram no leito do rio Cuito. Um jango construído de pau e capim resiste ao tempo.  As passagens entre ilhotas, em pedra, também continuam operacionais. Os velhos bancos e mesas em madeira para os piqueniques, rodeados de água, continuam à espera de quem gosta de viver em contacto com a natureza.

Tempo

Multimédia