Províncias

Pescadores recebem formação para rentabilizarem recursos

Mário Clemente| Calima

O director provincial da Agricultura no Huambo afirmou, na comuna da Calima, ser necessário assegurar fundamentalmente a formação técnicoprofissional para o aumento da produção alimentar.

O director provincial da Agricultura no Huambo afirmou, na comuna da Calima, ser necessário assegurar fundamentalmente a formação técnicoprofissional para o aumento da produção alimentar.
Emitério Tiago, que falava num seminário, referiu que a formação “deve ser imediata, com instituições de investigação e ensino a nível da província, para reforçar as acções” realizadas pelos institutos de Investigação Agronómica e de Veterinária, e pela Faculdade de Ciências Agrárias.
O director provincial da Agricultura declarou que no Huambo há 1.328 pescadores de cinco cooperativas e “58 grupos de interesse económico”.
O seminário, que teve a participação de 50 pescadores do Huambo, analisou temas como a importância do cooperativismo no desenvolvimento da pesca continental e da agricultura e o papel no combate à fome e à pobreza.
O regulamento da pesca continental, os métodos de conservação do pescado, a importância da agricultura comunal na diversificação do rendimento e a melhoria da dieta alimentar das famílias constituíram também temas de debates.
O encontro teve o objectivo de levar os pescadores a desenvolverem uma actividade ecológica e saudável e a “terem um espírito colectivo e responsável para preservação dos ecossistemas aquáticos”.
A pesca continental é uma actividade de captura de pescado nos rios, lagos e lagoas e, lembrou Emitério Tiago, no Huambo tem sido feita de maneira rudimentar, o que implica realizar formações de actualização. Nos últimos meses, o governo do Huambo entregou materiais de pesca a pescadores organizados em cooperativas, associações e a pessoas interessadas em assumir esta actividade. A intervenção do governo da província permitiu a promoção da pesca continental e a aquicultura nas águas continentais e o aumento da oferta do pescado nas zonas rurais, fundamentalmente nas zonas pesqueiras do Ngove, Cunhoñgawua, Keve, Culenle e Cuando.

Tempo

Multimédia