Províncias

Ponte metálica sobre rio Lufefena permite repor trânsito automóvel

Marcelino Dumbo | Huambo

O vice-governador do Huambo para área Técnica e Infra-estruturas, José Paulo Cai, anunciou ontem que vai ser instalada uma ponte metálica provisória sobre o rio Lufefena para repor a circulação entre a cidade do Huambo e a Caála.

Governo Provincial do Huambo disponibilizou autocarros para apoiar as populações na ligação entre as duas cidades
Fotografia: Rogério Tuti

O vice-governador do Huambo para área Técnica e Infra-estruturas, José Paulo Cai, anunciou ontem que vai ser instalada uma ponte metálica provisória sobre o rio Lufefena para repor a circulação entre a cidade do Huambo e a Caála.
A ponte metálica tem 47 metros de comprimento e vai ser instalada pela empresa de construção civil Monte Adriano. A ponte que agora ruiu levada pela força das enxurradas foi construída em 1957 e desde a sua construção nunca mais teve obras de manutenção.
A construção de casas e outros obstáculos junto às margens do rio “estrangularam” o curso normal das águas e a velha ponte não aguentou, já que este ano tem chovido mais do que o normal. A instalação da ponte metálica vai permitir em breve a travessia de pessoas e bens entre as duas cidades.
José Paulo Cai afirmou também que desde a queda da ponte foram tomadas medidas pelo Governo Provincial do Huambo, que disponibilizou dois autocarros para apoiar as populações que se deslocam entre as duas cidades, por um desvio alternativo. A ponte sobre o rio Lufefena desabou em consequência das fortes chuvas que caem diariamente na região do Huambo.
A queda da ponte aconteceu à noite. Como não existia sinalização na estrada, duas viaturas caíram ao rio na madrugada de domingo mas não houve vítimas mortais. Um camião carregado que vinha da Caála fez ruir a ponte, mergulhando no rio. Uma viatura ligeira que vinha atrás caiu também. 
Feliciana Namenhe, Manuel Davoca Cayandja e Adriana Nhimaua, que diariamente circulam na estrada entre o Huambo e a Caála, afirmaram ao Jornal de Angola que a vida dos munícipes se tornou difícil, porque os preços dos principais produtos do mercado local subiram devido às dificuldades de circulação.
Para minorar as dificuldades das populações, o governo está a proceder à montagem de outra ponte metálica com 18 metros de comprimento para auxiliar uma de betão, num troço alternativo, que permite fazer o trajecto Huambo/Caála e evitar mais transtornos à população.

Tempo

Multimédia