Províncias

Ponte precária trava circulação

Marcelino Dumbo |Cuima

A degradação da ponte sobre o rio Calai, localizada entre as comunas do Cuima e Catata, no município da Caála, está a dificultar a circulação dos automobilistas que fazem o percurso Huambo/Huíla.

A ponte sobre o rio Calai clama por reabilitação urgente para melhorar a circulação e facilitar o escoamento de produtos
Fotografia: João Gomes

A degradação da ponte sobre o rio Calai, localizada entre as comunas do Cuima e Catata, no município da Caála, está a dificultar a circulação dos automobilistas que fazem o percurso Huambo/Huíla.
O director provincial das Obras Públicas, Adolfo Morguier, disse que o governo local está a desenvolver alguns trabalhos de melhoramento, no sentido de repor a circulação, sobretudo nesta fase do CAN. Adolfo A sabotagem de longarinas, cavilhas e outros materiais, por cidadãos não identificados, constitui uma das causas do mau estado da ponte, que nos últimos dias tem vindo a dificultar o trânsito, acrescentou.
Com 96 metros de comprimento e seis de largura, a ponte, de estrutura metálica, erguida em 1996, já beneficiou de três intervenções de manutenção. Segundo Adolfo Morguier, além da ponte, o estado actual da estrada Huambo/Huíla também é crítico e carece de uma intervenção urgente para evitar o pior.
Entretanto, segundo esclareceu, no quadro do programa do Governo Central, vai ser erguida uma nova ponte, de carácter definitivo, para garantir a segurança do troço. 
Paulo Duarte, um dos automobilistas que fazia o troço Huambo/Huíla, apelou para a recuperação da ponte o mais rápido possível, para garantir segurança, tanto para os utentes de viaturas como para os peões.
Francisco Feliciano Sacapa, automobilista que faz o percurso Caála/Catata, pediu também a intervenção na ponte, para evitar que o troço esteja interdito.
A nossa reportagem conversou também com alguns camponeses da região que dizem que têm tido muitos problemas com o escoamento dos produtos agrícolas para os mercados das províncias do Huambo e da Huíla

Governador ausculta
autoridades tradicionais
 
As autoridades tradicionais da província do Huambo apresentaram ao governador Faustino Muteka as preocupações das comunidades rurais, durante o primeiro encontro provincial de auscultação, realizado na comuna da Calenga, município da Caála.
O evento congregou 85 sobas grandes, dos onze municípios da província, e teve como objectivo a análise da situação real e as preocupações das comunidades rurais, principalmente a falta de escolas e professores nas aldeias e ombalas, tendo em conta o elevado úmero de crianças que se encontram fora do sistema normal de ensino.
Os sobas solicitaram também a construção de mais centros de saúde, médicos, meios para a agricultura, o melhoramento do fornecimento de água potável, energia eléctrica e a reabilitação das vias de acesso.
Faustino Muteka disse que o governo vai trabalhar para que seja possível uma acção vigorosa para implementar o programa de desenvolvimento rural e acabar com a fome e a pobreza e fazer tudo para que os fertilizantes cheguem ao agricultor a baixo preço.
“Nós pretendemos fazer com que o camponês, antes de sair para trabalhar, coma e tenha ao menos três refeições por dia. Não queremos trabalhar com pessoas famintas, porque vão ter preguiça de pensar,” disse. Garantiu que o governo do Huambo vai fazer tudo para que haja mais quadros da agricultura para acompanhar as tarefas dos camponeses, e esclareceu que os problemas da educação, saúde, melhoria das pontes e estradas constituem as grandes preocupações do seu executivo, para elevar o nível de vida. 
  Referiu que a situação da industrialização do Huambo vai ser resolvida no quadro de uma orientação do Presidente da República, para permitir que haja mais empregos e naqueles municípios onde há grandes produções vão ser criadas fábricas agro-pecuárias e de conservação e transformação de produtos do campo.

                                                                                                                                                                                    (*) Com Victória Quintas

Tempo

Multimédia