Províncias

População da Calenga está satisfeita com a circulação regular do comboio

Estácio Camassete |Caála

A população da comuna da Calenga, município da Caála, província do Huambo, está satisfeita com a reposição da circulação do comboio na região, afirmou quarta-feira  o chefe de estação, Anastácio Capote.

Afluência de passageiros tem sido bastante elevada e há dias em que os bilhetes não chegam para todos os viajantes no sentido Caála/Benguela
Fotografia: Jornal de Angola

A população da comuna da Calenga, município da Caála, província do Huambo, está satisfeita com a reposição da circulação do comboio na região, afirmou quarta-feira  o chefe de estação, Anastácio Capote.
O chefe de estação disse ao Jornal de Angola  haver melhorias no transporte de pessoas e mercadorias, desde o início da circulação do comboio naquela localidade e a vida tornou-se mais dinâmica.
O transporte de mercadorias da comuna da Calenga para os principais mercados do interior intensificou-se graças à circulação do comboio, que pratica preços razoáveis, ao alcance de todos.
A partir da comuna da Calenga, os cereais e outros produtos são evacuados para as províncias de Benguela, Bié e Moxico, facilitando cada vez mais a vida dos cidadãos, comerciantes e produtores.
O comboio escala a vila da Calenga todas as segundas-feiras, partindo de Benguela. Na terça-feira parte em direcção ao Cuito, para chegar ao Moxico na quarta-feira.

Afluência de passageiros
 
Em todo este percurso, os bilhetes são vendidos um dia antes da viagem e a venda termina minutos antes da chegada do comboio. Anastácio Capote afirmou que a afluência de passageiros tem sido bastante elevada e que há dias em que os bilhetes não chegam para todos os viajantes, principalmente no sentido Caála/Benguela.
“Muita gente faz negócio de peixe, sal, cimento e outros produtos que adquirem a partir da província de Benguela, para comercializá-los nos mercados do interior e no Leste, daí a grande afluência de passageiros”, esclareceu. Além deste movimento, muitos passageiros compram produtos de campo na comuna da Calenga, como a batata rena, cebola, repolho, alho, entre outros, que são vendidos nos mercados de Benguela, Bié e Moxico.
“Antes, os camponeses lutavam para conseguir vender os seus produtos e evitar a sua deterioração, mas agora, com a circulação do comboio, essa preocupação terminou”, disse. A circulação do comboio mudou também muita coisa na vida das pessoas. Os fretes de transportação de mercadorias nos camiões baixaram, muitos fogem dos táxis, preferem o comboio devido à comodidade, segurança e o preço baixo da bagagem.
Anastácio Capote pede à população da comuna da Calenga no sentido de conservar a linha-férrea, numa altura em que se tem registado, na região, alguns actos de vandalismo das linhas.

Tempo

Multimédia