Províncias

Província criou núcleos de vigilância nas escolas

Marcelino Dumbo | Huambo

A Brigada de Segurança Escolar do Huambo está a criar núcleos de vigilância nas escolas, em parceria com os jovens das associações de estudantes e as direcções dos estabelecimentos de ensino.

Estudantes locais estão mais protegidos
Fotografia: Carlos Paulino |

O Comandante da Brigada de Segurança Escolar, inspector António Manuel Katuta, disse ontem ao Jornal de Angola que os núcleos estão a ser criados para colaborarem com os efectivos da Polícia Nacional, na divulgação das acções que indiciem actos criminosos nas escolas.
A acção dos agentes policiais está voltada para o patrulhamento dentro e fora de recintos escolares durante o dia e à noite. Deste modo, a Polícia quer impedir a proliferação da delinquência, desordem por parte dos estudantes contra professores e funcionários administrativos.
António Katuta afirmou que a Brigada de Segurança Escolar já trabalha nos municípios do Huambo, Caála, Bailundo e Catchiungo, onde garante a segurança a 1.188 estabelecimentos de ensino, dos quais 1.145 escolas públicas, 14 comparticipadas, 29 particulares e dez instituições de nível superior.
Os roubos e furtos de telemóveis, ofensas corporais e uso de estupefacientes são os casos que mais se registam entre jovens e adolescentes. O chefe da repartição municipal da Educação da Caála, Mateus Tchibamba de Sousa, disse que com a actuação dos agentes da Brigada de Segurança Escolar diminuiu consideravelmente o índice de criminalidades nas escolas.
Francisco Zacarias Enoque, chefe da repartição de Educação do município do Bailundo, também refere uma certa diminuição de actos de vandalismo nas escolas, por pessoas estranhas e com intenções de praticar delitos.
As acções de policiamento de proximidade em todas as escolas, mesmo nas que estão em zonas de difícil acesso e à noite, estão a surtir efeitos positivos.
A Polícia tem meios disponíveis, a nível de efectivos, viaturas e motorizadas, para o combate à delinquência.
As direcções das escolas, alunos, pais e encarregados de educação estão a colaborar com a Polícia no sentido de garantir a tranquilidade nas escolas.

Tempo

Multimédia