Províncias

Reabilitação do troço Cuima/Ngove melhora circulação de pessoas e bens

O administrador da comuna do Cuima, Faustino Kapingala, afirmou sexta-feira naquela circunscrição, a 68 quilómetros da cidade do Huambo, que as obras de reabilitação em curso do troço rodoviário Cuima/Ngove permitem melhorar a circulação de pessoas e bens e proporcionar o desenvolvimento socioeconómico das duas localidades. O administrador do Cuima, em declarações à imprensa à margem da visita de constatação do grau de execução da empreitada efectuada pelo vice-governador da província do Huambo para o sector Técnico e Infra-estruturas, José Paulo Kai, ao referido troço, enalteceu a importância do restauro da infra-estrutura rodoviária para a melhoria da qualidade de vida das populações.

Recuperação das infra-estruturas permite escoar produtos do campo para as cidades
Fotografia: Jornal de Angola

O administrador da comuna do Cuima, Faustino Kapingala, afirmou sexta-feira naquela circunscrição, a 68 quilómetros da cidade do Huambo, que as obras de reabilitação em curso do troço rodoviário Cuima/Ngove permitem melhorar a circulação de pessoas e bens e proporcionar o desenvolvimento socioeconómico das duas localidades. O administrador do Cuima, em declarações à imprensa à margem da visita de constatação do grau de execução da empreitada efectuada pelo vice-governador da província do Huambo para o sector Técnico e Infra-estruturas, José Paulo Kai, ao referido troço, enalteceu a importância do restauro da infra-estrutura rodoviária para a melhoria da qualidade de vida das populações.
 Faustino Kapingala disse também que os esforços do Executivo em reconstruir as infra-estruturas estão a gerar desenvolvimento nas localidades afastadas das capitais de província e permitem escoar produtos do campo para os principais mercados consumidores.
 “Com a reabilitação deste troço, antevejo progresso para a nossa comuna. Esta estrada tem um impacto socioeconómico para todos os habitantes do Cuima e constitui um factor importante para erradicar a fome e a pobreza”, destacou. O troço rodoviário que liga a vila comunal do Cuima e o sector do Ngove tem uma extensão de 51 quilómetros e encontra-se intransitável desde finais da década de 1980.

Município da Caála

 O projecto “Minha casa, meu sonho” conclui até Dezembro 1.900 residências sociais, das quatro mil em construção desde Fevereiro na reserva fundiária da Caála.
A informação foi prestada sexta-feira ao governador provincial do Huambo, Faustino Muteka, durante uma visita de constatação que efectuou ao local da empreitada.O responsável comercial e de marketing da Kora-Angola para as províncias do Huambo e Bié, Bernardo Florindo, acrescentou que até Setembro ficam concluídas 700 casas.
A reserva fundiária do município da Caála tem 150 hectares, onde são construídas até 2015, quatro mil moradias, entre vivendas tipo T3 e edifícios de dois a quatro pisos.
Em parceria com o Executivo, através do Programa Nacional de Habitação - “Meu Sonho, Minha Casa”, a Kora-Angola é responsável pela construção, incorporação imobiliária e comercialização de 40.000 fogos habitacionais, distribuídos pelas províncias do Bié (sete mil), Huambo (12.000), Moxico (três mil), Kwanza-Sul (cinco mil), Uíge (sete mil) e Luanda (seis mil).

Tempo

Multimédia