Províncias

Registo Civil no Longonjo tem alta produtividade

Tatiana Marta| Longonjo

Mais de três mil cidadãos adquiriram gratuitamente assentos de nascimento no município do Longonjo, no Huambo, em 2014, informou ontem a directora adjunta da Conservatória Municipal.

Os postos de registo civil e de identificação são procurados quase todos os dias por centenas de pessoas interessadas em tratar documentos
Fotografia: João Gomes

Segundo Ana Chinawandela, foram emitidos 3.275 assentos de nascimento, contra 2.193 assentos em 2013.
A directora adjunta atribui o aumento de assentos emitidos às acções de sensibilização  levadas a cabo nas comunidades rurais pelas autoridades tradicionais, activistas sociais, associações de jovens, no âmbito do Programa de Registo de Nascimento Gratuito que decorre em todo o país.
“A Administração Municipal tem orientado os sobas, líderes religiosos e organizações da sociedade civil para mobilizarem a população para tratar dos assentos de nascimento”, disse Ana Chinawandela.
Diariamente, em média, o Sector de Registo Civil do município do Longonjo emite 30 assentos de nascimento e 20 certidões de narrativas completas, na sua maioria para cidadãos adultos que pretendem tratar do Bilhete de Identidade.
Ana Chinawandela apontou como principal dificuldade o reduzido número de técnicos,acrescentando que, apesar deste constrangimento, pretende-se alcançar um número maior de cidadãos.

Unidades sanitárias


O Governo Provincial do Huambo e parceiros analisaram ontem o programa das aulas práticas nas unidades sanitárias destinado a melhorar a formação dos técnicos de Saúde na região. O vice-governador para o sector Técnico e Infra-Estruturas disse haver necessidade das instituições privadas comparticiparem nas despesas e gastos para a compra de material utilizado nos estágios nas unidades públicas. Calunga Quissaga anunciou que em breve as instituições responsáveis pela saúde na província têm de participar nas despesas da compra de material que os estudantes utilizam nos estágios.
Governo do Huambo, referiu Calunga Quissaga, pretende organizar, melhorar e tornar célere o acesso dos estagiários às unidades sanitárias públicas e reduzir os custos na compra de meios para as aulas práticas.
“Regista-se uma sobrecarga nos hospitais públicos, queremos organizar e estabelecer metas para o sector na província do Huambo poder ter uma formação de profissionais de saúde de qualidade, o que passa por um acordo entre as instituições ligadas à formação de quadros”, afirmou. 
O director provincial da Saúde, que participou na reunião, disse que o objectivo é melhorar a formação de profissionais, tendo em conta a importância da profissão. 
Frederico Juliana realçou a importância de regular o processo para poder haver “um acompanhamento sistemático dos futuros quadros que vão assegurar a saúde nos 11 municípios da província do Huambo” e que há mais de seis mil estudantes de saúde.
Na reunião foi analisada a contribuição das instituições privadas na formação de profissionais de saúde, dos cursos ministrados, o número de estudantes e a capacidade de absorção do Hospital Central.
No encontro participaram responsáveis de escolas de formação profissional de saúde, quer públicas, quer privadas, e dos institutos superiores.

Tempo

Multimédia