Províncias

Responsável assinala melhorias na saúde

O administrador do município de Katchiungo, província do Huambo disse, à Angop, que o sector da saúde na circunscrição registou, este ano, um aumento no número de consultas realizadas nas 11 unidades sanitárias controladas.

Autoridades do município apostam na reabilitação e apetrechamento das unidades sanitárias para melhorar o atendimento da população
Fotografia: Nicolau Vasco

O administrador do município de Katchiungo, província do Huambo disse, à Angop, que o sector da saúde na circunscrição registou, este ano, um aumento no número de consultas realizadas nas 11 unidades sanitárias controladas.
José Manuel dos Santos referiu que, ao longo do ano, as unidades sanitárias de Katchiungo realizaram 106.704 consultas, mais 12. 452 do que em 2009.
Deste número, referiu, houve 3.247 doentes internados, menos 235 do que no ano anterior.
Por apresentarem casos complicados, declarou, foram transferidos para o hospital central do Huambo 71 pacientes, menos 32 do que em 2009.
Na base do registo destes resultados, frisou, esteve a entrega e dedicação dos técnicos do sector, que além de trabalharem nas unidades fixas se deslocavam às zonas mais distantes.As unidades sanitárias do município são asseguradas por dois médicos e 273 enfermeiros.
Na área da maternidade, onde foram atendidas, este ano, 12.734 mulheres, não há médico. Funciona com 46 enfermeiros, que asseguram os serviços da secção.
Em relação à disponibilidade de medicamentos, registou-se, este ano, uma baixa considerável.
“O município recebeu 35 kits de diversos fármacos, contra 99, de 2009. O orçamento do hospital municipal também baixou de 11 milhões de kwanzas para 7,5 milhões”, afirmou.
Ao todo, contra a poliomielite e outras doenças foram vacinadas 16.956 pessoas, menos 2.619 em relação a 2009 devido a problemas de conservação de vacinas.
Das oito viaturas que o sector da saúde controla, três são ambulâncias, mas insuficientes para o ­número de pacientes.
A população do município louva a iniciativa do programa de luta contra a malária, que realizou campanhas de pulverização nas lagoas, charcos e cacimbas para eliminar os focos de mosquitos.
Júlia Filipe, uma munícipe, defende que estas campanhas de luta contra os mosquitos devem ser contínua para evitar gastos com medicamentos e mortes.
As maiores unidades sanitárias do município (o hospital e o centro materno infantil) devem beneficiar, em 2011, de obras de reabilitação e ampliação para melhorarem a qualidade de serviço e as condições de trabalho dos profissionais.
Encontram-se em a construção três postos de saúde e outro está a ser reabilitado, no âmbito do programa do governo de expansão da rede sanitárias às comunidades.

Tempo

Multimédia