Províncias

Sanatório do Huambo regista óbitos por tuberculose

Justino Vitorino | Huambo e Justino Vitorino | Caála

As autoridades sanitárias da província do Huambo estão preocupadas com a quantidade de casos de tuberculose registada desde o princípio do ano em curso.

Doentes que apresentem resistência são submetidos a novos exames e as análises são feitas no laboratório de microbacteriologia
Fotografia: Francisco Lopes

Luís Cavita, um dos responsáveis do Hospital Sanatório, disse que, de Janeiro a Outubro deste ano, foram registados 37 óbitos, dos 285 casos que deram entrada nesta unidade sanitária.
A  maioria dos casos é proveniente de bairros situados na periferia da cidade do Huambo, onde as condições de habitabilidade são precárias. O responsável referiu que a falta de saneamento básico e água potável concorre para o aumento das doenças.
Explicou que o número de casos diagnosticados pode subir nos próximos tempos, porque muitos dos doentes abandonam o tratamento ainda na fase inicial, enquanto outros são aconselhados pelos próprios familiares a evitarem as unidades sanitárias para irem a terapeutas tradicionais.
Os doentes que apresentem resistência aos medicamentos, sublinhou, são submetidos a novos exames. As análises clínicas são feitas no laboratório de micro bacteriologia e em função do resultado são tomadas medidas que vão desde "a alteração da composição dos medicamentos ao isolamento para aqueles que não podem estar internados com os demais".
O responsável fez um apelo à sensibilidade das famílias que abandonam os seus no hospital. "É um comportamento errado que não ajuda em nada na recuperação do doente", alertou.
A província do Huambo tem registado chuva intensa nos últimos dias. Se, por um lado, a chuva é bem-vinda para as famílias que trabalham no campo, em termos de saúde é diferente, de acordo com Luís Cavita. "As constantes chuvas também contribuem para o aumento dos casos de tuberculose. Sempre que um cidadão notar qualquer sinal de fraqueza e tosse seca deve recorrer ao hospital o mais rápido possível", frisou.
Com capacidade de internar 200 pessoas, o Hospital Sanatório do Huambo dispõe de 95 técnicos de saúde, entre médicos, enfermeiros e pessoal de apoio. O responsável dos recursos humanos disse que esta unidade sanitária precisa de mais técnicos, principalmente de analistas para o diagnóstico de doenças de foro respiratório.

Campanha agrícola

O governo provincial do Huambo anunciou, segunda-feira, que vai apoiar 390 mil famílias camponesas, com meios de trabalho, como tratores, cabeças de gado bovino para tracção animal, charruas, enxadas, limas, catanas, fertilizantes e sementes de hortícolas diversos.
O director do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), Xavier João Abrantes, disse que o governo provincial pretende fomentar a produção agrícola e ao mesmo tempo melhorar as condições de vida das famílias.
Ao discursar na cerimónia que marcou a abertura do ano agrícola 2014-2015, no município da Caála,  Xavier João Abrantes disse que o apoio às famílias vai permitir que seja desbravada uma área de mais de 471 hectares de terras aráveis, acrescentando que o Huambo tem registado um aumento significativo na produção agrícola, fruto do trabalho das famílias camponesas apoiadas pelo Governo.
“A nível do Huambo, temos uma agricultura camponesa forte, mas o que falta são os meios de transporte para o escoamento dos produtos do campo para os principais mercados da província e outras localidades", assinalou, confirmando as "inúmeras solicitações" feitas por camponeses junto da  direcção provincial do IDA.
A falta de uma resposta na altura certa, referiu, tem-se reflectido negativamente no dia-a-dia das associações e cooperativas agrícolas, que registam perdas significativas.
Xavier Abrantes acredita que o registo de perdas por parte das famílias tende a diminuir com iniciativas como as Agromerca. "Temos uma em funcionamento na comuna da Calenga e os resultados têm sido positivos".
O vice- governador para o sector Técnico e Infraestrutura, Calunga Francisco Quissanga, que representou o governador Kundi Paihama, estimou a intervenção da direcção provincial da Agricultura nos últimos tempos. “Verificamos que apesar de alguma deficiência em termos organizativos nas estruturas associativistas e o baixo domínio tecnológico, tem sido notável a preocupação do sector da Agricultura em organizar as comunidades com a introdução de novas tecnologias através das escolas de campo", referiu.
Para presente campanha agrícola, o sector da agricultura prevê desbravar, nos 11 municípios, 644 mil hectares de terras, com a disponibilização de quatro mil toneladas de sementes diversas.
Na campanha agrícola anterior, a Mecanagro preparou 1.669  hectares de terra, onde foi possível colher perto de 230.436 mil toneladas de produtos diversos.

Tempo

Multimédia