Províncias

Sector social ganha força e economia a crescer

António Canepa|Huambo

A província do Huambo está em franco desenvolvimento e hoje o grande desafio do Governo Provincial é construir novos equipamentos sociais e ao mesmo tempo postos de trabalho para os jovens, eliminar a fome e a pobreza, aumentar a oferta na área da educação e da saúde nas comunidades.

Para integrar mais crianças no sistema oficial de ensino até no espaço do recreio das escolas é improvisada uma sala de aulas
Fotografia: Rogério Tuti

A província do Huambo está em franco desenvolvimento e hoje o grande desafio do Governo Provincial é construir novos equipamentos sociais e ao mesmo tempo postos de trabalho para os jovens, eliminar a fome e a pobreza, aumentar a oferta na área da educação e da saúde nas comunidades.

Huambo aparece hoje no topo das províncias que mais cresceu nos domínios social e económico. As populações vivem agora em segurança e por isso recuperaram a confiança. A rede viária foi estendida a todas as sedes municipais. Foi alargada a cobertura sanitária e há mais escolas na província.
O aumento do número de escolas permitiu o acesso de mais crianças ao sistema normal de ensino. A meta do Governo Provincial é que todas as crianças vão à escola e recrutar cada vez mais professores que garantam um ensino de qualidade.
A província do Huambo tem dezasse16.000 salas para mais de um milhão de alunos, do primeiro ciclo ao ensino médio. Mas tem pouco mais de 22 mil professores, o que é manifestamente insuficiente para as necessidades.
O número de salas é insuficiente, tendo em conta o crescimento da população estudantil, que se regista todos os anos. Em toda a província há 127 mil crianças fora do sistema normal de ensino, segundo dados da Direcção Provincial da Educação.
O Governo Provincial está a construir mais salas e a rever o programa da merenda escolar para que chegue a todas as escolas. Este ano foram matriculados mais 600 alunos do que no ano. No âmbito do Programa de Investimentos Públicos foram reabilitadas 75 escolas de todos os níveis, totalizando 491 salas. Foram construídas 321 escolas com 1.703 salas. Este ano lectivo o sistema tem 600 novos professores. Na província surgiram escolas de formação profissional que ensinam milhares de jovens preparando-os para o mercado de trabalho. A cidade do Huambo é sede da Universidade José Eduardo dos Santos, que forma quadros de nível superior para as províncias do Bié e Moxico e conta com mais de 3.000 alunos este ano lectivo.
O sector da saúde registou também um grande crescimento. A rede sanitária foi estendida a toda a província. Foi reabilitado e apetrechado o Hospital Central do Huambo, com capacidade para internar mais de 800 doentes e atender pacientes do Huambo e das províncias vizinhas. A província tem nove hospitais municipais, 52 centros de saúde, 122 postos de saúde, totalizando 185 unidades, com 5.504 funcionários, entre médicos, enfermeiros, técnicos e pessoal administrativo.  A circulação entre as cidades e as zonas rurais estão asseguradas. Está para breve a conclusão das obras de reabilitação das vias secundárias e terciárias para facilitar o escoamento de produtos para os principais mercados da província, estimulando a produção de alimentos a partir das comunidades rurais.
Os programas e projectos estão em curso, meios e técnicos estão mobilizados para que a distância entre aldeias, ombalas, quimbos e as cidades seja cada vez mais curta. O sector agrícola cresce, muitas famílias têm conseguido atingir os seus objectivos, com a ajuda do Governo Provincial e dos bancos, mediante a concessão de crédito.
Os índices de produção aumentam em cada ano que passa porque são introduzidas técnicas modernas de trabalhar a terra. Os agricultores estão a contribuir para o combate à pobreza.  O Governo Provincial está a facilitar a produção, criando condições, para que os produtores encontrem formas de escoar e vender os seus produtos. Os camponeses associados em cooperativas receberam créditos no valor de 336 milhões de kwanzas.
A província tem terras férteis e um clima propício à prática da agricultura e pecuária. Os principais produtos são o milho, feijão soja, trigo, ginguba, batata, banana, mandioca e hortícolas.
Os trabalhos de recuperação da rede eléctrica e a reabilitação da barragem do Gove, localizada na comuna do Cuima, município da Caála são o ponto de partida para o relançamento da indústria.
As obras decorrem a bom ritmo, estando prevista a produção de 60 megawatts e o fornecimento de energia eléctrica ao Huambo e Bié. Alguns equipamentos da central hidroeléctrica já se encontram no local, prontos para instalação.

Tempo

Multimédia