Províncias

Segurança e higiene alimentar tratadas com mais eficiência

Justino Vitorino | Huambo

Os problemas relacionados com a segurança alimentar e higiene no trabalho são melhor solucionados, nos próximos dias, na província do Huambo, disse, ontem, o director provincial do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC).

Regras básicas alimentares são tidas em conta
Fotografia: M.Machangongo

Afonso Chicucuma disse que  um grupo de 22 operadores económicos dos sectores alimentares estão a ser capacitados. “A formação, com uma semana de duração, serve para sensibilizar e dotar os operadores económicos de conhecimentos práticos e teóricos sobre as regras básicas de segurança alimentar e higiene no trabalho”, disse.
Durante o evento, os participantes   abordam temas sobre “A Microbiologia”, “Regras Básicas de Segurança Alimentar”, “Preservação de Produtos Alimentares” e “Observação do Rótulo e Verificação da Data de Caducidade”.
Afonso Chicucuma lamentou o facto de o INADEC continuar a verificar que muitos agentes económicos tentam vender produtos inadequados e a preços exorbitantes.
Afonso Chicucuma garantiu que o INADEC continua a desenvolver muitas actividades com vista a desencorajar os vendedores desonestos e garantir o consumo de produtos de qualidade aos cidadãos, através da realização de visitas aos centros comerciais, palestras nas escolas e outras acções de divulgação dos direitos dos cidadãos como consumidores.
“AS suspeitas de má conservação não estão relacionadas com os bens importados, uma vez que os produtos nacionais também precisam de muitos cuidados de armazenamento depois da colheita”, explicou Afonso Chicucuma, que acrescentou: “Quando se trata de hortícolas, por exemplo, precisamos de mais de 20 dias, para que os efeitos dos produtos ali colocados na altura da pulverização, percam acção nociva à saúde humana.”
Afonso Chicucuma denunciou  alguns comerciantes que por má-fé evacuam as suas mercadorias em mau estado de conservação aos municípios e localidades longe dos órgãos de inspecção, para obter  lucro fácil.
Afonso Chicucuma garantiu que o INADEC   vai intensificar a fiscalização de produtos vendidos nas lojas e mercados informais, para alertar os consumidores a não comprarem sem primeiro lerem o rótulo e verificarem a data de caducidade dos produtos.

Tempo

Multimédia