Províncias

Sinais de desenvolvimento visíveis na vila do Bailundo

Adolfo Mundombe | Huambo

A vila do Bailundo, no Huambo, passou a estar melhor iluminada depois da instalação de um grupo gerador de 1000 KVA, que garante ininterruptamente o fornecimento de energia eléctrica.

O Bailundo, ao assinalar 111 anos de vida, no passado dia 16, mostra cada vez mais sinais de desenvolvimento em vários domínios. O administrador municipal do Bailundo referiu que, com a energia eléctrica melhorada, “a vila passou a ser paragem obrigatória para muita gente que procura aos fins-de-semana lazer e descanso longe das cidades”. Irineu Sakahala afirmou que o crescimento socioeconómico da região está patente na construção de várias infra-estruturas e “numa rede comercial mais dinâmica”. As autoridades, disse, apostam na abundância de produtos agrícolas, no fornecimento de água e energia e na construção de hospitais, centros e postos médicos. As redes escolar e de saúde, declarou o administrador, foram igualmente melhoradas e começaram a chegar aos bairros mais próximos da vila. O administrador referiu que o programa de combate à pobreza tem sido desenvolvido com grande eficácia e melhorado as condições de vidas da população. Irineu Sakahala também lembrou que o município passou a ter uma escola do Magistério Primário, um Instituto Médio de Saúde e um núcleo do ensino superior e que vão ser instalados sistemas de distribuição de água potável nas zonas rurais e que os investimentos privados, sobretudo nos sectores agrícola e comercial, aumentaram. A estrada que liga a comuna do Lunge à sede do Bailundo, que está a ser reabilitada e cujas obras devem estar concluídas dentro de três meses, também vai contribuir para o desenvolvimento do município por melhorar a circulação de pessoas e de produtos agrícolas. Além disso, estão a ser construídas pontes sobre os rios Luvulu e do Kapange, asfaltada a estrada que liga a sede municipal à comuna de Luvemba e reparadas as vias terciárias da vila e o troço até ao Waku Kungo. A estrada entre o Bailundo e o Mungo está totalmente asfaltada, o que permite a normal circulação do trânsito autromóvel, segundo o administrador Irineu Sakahala. Na primeira fase da campanha agrícola deste ano a maioria dos camponeses das aldeias e ombalas receberam adubos subvencionados, o que faz com que o saco de 50 quilos que custava cinco mil kwanzas custe agora três mil. No âmbito das comemorações do aniversário da vila do Bailundo foi realizada uma feira agro-pecuária em que predominaram milho, feijão, soja, trigo, mandioca, batata-doce, bata rena e produtos hortícolas, além de gado.

Tempo

Multimédia