Províncias

Tchindjenje tem um Plano de Investimentos

Vitória Quintas|Tchindjenje

O município de Tchinjenje tem falta de infra-estruturas vitais para a vida da população, como salas de aulas, unidades sanitárias e parques de lazer.

Governador da província do Huambo Faustino Muteka esteve em Tchinjenje
Fotografia: Francisco Lopes

O município de Tchinjenje tem falta de infra-estruturas vitais para a vida da população, como salas de aulas, unidades sanitárias e parques de lazer.
Para ultrapassar a situação, a administração municipal pretende dar sequência ao plano do Programa de Investimento Municipal (PIM) do ano passado, que não foi concluído devido à crise financeira. O município perdeu fundos importantes para executar obras nas áreas da saúde, da educação e do abastecimento de água potável.
Rodrigues Sanjala, administrador municipal, disse, ao Jornal de Angola, que mais de três mil crianças estão fora do sistema normal de ensino devido à falta de 300 professores e 20 salas de aulas. Este ano lectivo arrancou mais uma vez com um grande défice de professores.
“Foi entregue na comuna da Chiaca uma escola, com seis salas de aulas, construída no quadro do Programa de Desenvolvimento Rural, mas há muitas aldeias que ainda não têm estruturas escolares”, afirmou Rodrigues Sanjala.
Mas esta foi a única estrutura nova na área  da educação. E o quadro de professores ficou também longe das necessidades do município.
Cristina Teresa, 14 anos, frequenta a 6ª classe. Antes da construção da nova escola, assistia às aulas e  estudava debaixo de uma árvore. Nas comunas e aldeias à uma carência gritante de escolas. Mas a nova escola encheu de alegria as crianças da Chiaca: “agora, estou feliz porque vamos estudar numa boa escola com carteiras novas, livros, cadernos e tudo bem organizado”, disse a aluna.
José Quarta, 15 anos, anda na 4ª classe. Antes da escola nova da Chiaca  estudava num jango. Como estudaram os seus irmãos e muitos jovens da aldeia. Diz que vai estudar muito para um dia  ser professor e contribuir para formação das outras crianças e para o desenvolvimento da comuna da Chiaca. Ele sabe que a sua terra luta com uma gritante falta de professores  e há cada vez mais crianças que querem estudar.
O município tem dois centros de saúde, um na vila sede e outro na Chiaca, construídos também no quadro do programa de Desenvolvimento Rural.
A prioridade agora é a construção de um hospital municipal, apesar da Chiaca ter dois centros e um posto. Tchindjenje tem uma população em crescimento e sem o hospital municipal é muito difícil responder às necessidades de todos.
A malária, doenças diarreicas agudas e respiratórias, principalmente em crianças, levam o administrador a pensar na construção do hospital. Sanjala também está preocupado com a pouca diversificação de produtos semeados no mujnicípio.
“A população do Tchinjenje está habituada a cultivar quase só milho, que não dá grande rendimento. Por isso, estamos a incentivá-la a plantar outros produtos”, disse.
“Gostávamos também de promover o comércio rural, pois os camponeses, mesmo que produzam muito mas não têm mercado”, declarou.
A população do Tchinjenje, maioritária camponesa, lamentam-se da falta de materiais agrícolas, como charruas, e da estiagem que se faz sentir há mais de um mês.
O responsável da Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA) no Tchinjenje, Alcino Maurício, referiu, ao Jornal de Angola, que a previsão é de fracas colheitas devido à falta de chuvas.
Alcínio Maurício revelou que a preocupação se prende com o facto de, este ano, os camponeses terem utilizado “sementes de ciclo longo” e da estiagem acontecer numa altura em que o milho e o feijão, cultivados em zonas altas, precisarem de muita água.
O governo da província do Huambo, disse, já está informado e localmente a EDA está a incentivar as populações a plantarem hortícolas e outros produtos resistentes à falta de água.   Alcino Maurício declarou que na actual campanha agrícola, o município do Tchindjendje preparou 10.750 hectares de terra para a plantação de milho, feijão e hortícolas diversas.
 Como um mal nunca vem só, uma ravina ameaça cortar a ligação entre aquela comuna e a vila municipal, separadas por 35 quilómetros. As vias terciárias que dão acesso as aldeias e ombalas estão degradadas.  “A estrada principal de acesso ao Tchinjenje está asfaltada. Vamos continuar a trabalhar, com apoio da população e do governo provincial, para resolver este problema” afirmou Sanjala.
 
Energia e água são prioridades
 
Uma das apostas da administração é adquirir um gerador para proporcionar energia eléctrica à comuna da Chiaca, beneficiando cerca de cinco mil famílias. “Quanto à distribuição de água, estamos a trabalhar para dotar a Chiaca de sistema idêntico ao que há na sede municipal, que pode beneficiar também as aldeias vizinhas”, disse.

Tempo

Multimédia