Províncias

Técnicos fazem formação no Huambo para suprir défice na construção civil

Victória Quintas |Huambo

O Centro de Formação Profissional de Construção Civil e Industria de Materiais de Construção, no Huambo, formou, nos últimos seis meses, 212 técnicos, disse, ontem, ao Jornal de Angola, o seu director administrativo.

O Centro de Formação Profissional de Construção Civil e Industria de Materiais de Construção, no Huambo, formou, nos últimos seis meses, 212 técnicos, disse, ontem, ao Jornal de Angola, o seu director administrativo.
O centro, no sector do Casseque III, que funciona há dois anos, foi criado para atenuar o défice de quadros não qualificados  no país.
Cruz do Espírito Santo afirmou que, tendo em conta aquele défice e a dinâmica da construção civil em Angola, se tornou importante formar técnicos para participarem na reconstrução nacional.
O centro dispõe de equipamentos modernos, vários laboratórios e de 25 formadores.
“Fizemos uma selecção criteriosa dos formadores, que vão periodicamente ao Brasil frequentar acções de formação no quadro da cooperação com uma Universidade brasileira que presta assessoria técnica ao centro”, referiu.  
Para frequentar o centro é necessário ter, no mínimo, a 8ª classe, mas o centro dá prioridade a os ex-militares.
Os formandos pagam 2.500 kwanzas e as empresas, oito mil.  O centro tem uma parceria com o governo da província para execução de vários projectos de impacto social.

Tempo

Multimédia