Províncias

Toxicodependentes melhor acomodados

Adolfo Mundombe | Cachiungo

Pessoas toxicodependentes que recebem tratamento no centro de reabilitação da Missão Católica de Vavayela, no município do Cachiungo, província do Huambo, podem ver melhorada a sua saúde e voltar o mais depressa possível ao convívio familiar, com a inauguração, no domingo, das novas instalações, que visam cuidar de indivíduos com perturbação.

As novas instalações, construídas nas irmãs trapistas, no município do Cachiungo, vão reforçar o Centro de Reabilitação de Toxicodependentes, localizado na Missão Católica de Vavayela.
O centro tem capacidade para acolher mais de 100 jovens do sexo masculino, dos 17 aos 60 anos, contra os anterior 50 toxicodependentes de álcool e drogas. Os doentes são na sua maioria provenientes das províncias do Huambo, Luanda, Benguela, Bié, Cunene e Huíla.
As novas instalações contemplam dormitórios, um refeitório, uma cozinha, um escritório e a capela para celebração de missas. O centro da Missão Católica de Vavayela, no município do Cachiungo, implementado em 2011, já reabilitou pouco mais de 70 pessoas.  
O coordenador do centro, João Paulo Santos Faria, de nacionalidade brasileira, disse que os jovens que aí se encontram têm o mesmo tratamento e obedecem a determinadas regras. Lembrou que o consumo de álcool e de drogas, por adolescentes e jovens de ambos os sexos, tem sido, nos dias de hoje, uma constante, o que preocupa várias famílias e sociedade.
João Paulo Santos Faria prometeu continuar com projectos similares e disse que em breve será construído um centro feminino, também dependentes de álcool e de drogas. No centro, as pessoas toxicodependentes dedicam-se à plantação de hortícolas e de frutícolas.

Novas instalações

O governador da província Huambo, João Baptista Kussumua, admitiu, no acto de inauguração das novas instalações, que a reabilitação da antiga casa das irmãs trapistas representa para os angolanos em geral, e para os cidadãos do Huambo, em particular, uma nova era ao acolher jovens que sofrem deste mal para a sua recuperação, através da iniciativa do frei Hans Stapel, de nacionalidade alemã, mentor do projecto “Fazenda Esperança”.
“Honra-nos a parceria existente entre a Igreja Católica e o Governo do Huambo, no sentido de dar solução para os toxicodependentes, no combate ao alcoolismo e às drogas”, disse o governador.

Empenho e dedicação

O frei Hans Stapel, presente no acto, ficou entusiasmado com o empenho e a dedicação das entidades governamentais e bispos da Igreja Católica no Huambo e encorajou-os a continuar com o seu trabalho, salvando cada vez mais jovens do mundo de drogas e do álcool.
“Antes da criação deste  projecto, a ideia inicial era criar uma clínica, mas pensamos que não há melhor remédio senão o seguimento da bíblia. Com isso, consegue-se salvar vidas de pessoas que se encontram no mundo do alcoolismo e das drogas”, referiu o frei.
Lembrou que no centro se constrói uma estrada espiritual para a recuperação de pessoas que se encontram no mundo do alcoolismo e das drogas, porque, referiu, todos os gritos são grandes de clamor para os que se encontram desviados do bem-estar e da palavra santa.

Agradecimento aos mentores


O arcebispo do Huambo, Dom Queirós Alves, disse que a reabilitação se deveu aos esforços de todos e do seu fundador, tendo, no entanto, agradecido aos mentores do projecto, que não se importaram das condições precárias em que eles começaram e levaram adiante a iniciativa que  hoje granjeou respeito e sucesso.
Dom Queirós Alves considerou o projecto uma obra que vai ao encontro de todas as infra-estruturas sociais que o Governo angolano já fez com a colaboração da Igreja Católica, para que o homem de Angola viva mutuamente e sinta-se como um povo único, que vai surgindo nas comunidades.

Tempo

Multimédia