Províncias

Tuberculose está aumentar por abandono do tratamento

Tatiana Marta | Huambo

Nos últimos meses, os casos de tuberculose na província do Huambo estão a aumentar consideravelmente, devido ao facto de muitos pacientes estarem a abandonar o tratamento da doença, disse ontem o supervisor local dos serviços de luta contra a enfermidade.

Rodrino Ndavoca informou que, desde o início do ano até a­gora, foram diagnosticados mais de 200 casos, número considerado alto, comparativamente aos dados dos anos anteriores.
Do seu ponto de vista, um dos factores que leva ao abandono do tratamento da  tuberculose é a falta de uma cesta básica para os doentes em ambulatório, como acontecia antes, desde 2006, quando havia um convénio com o Programa Alimentar Mundial (PAM).
“Desde que esse convénio terminou, os doentes da turbeculose deixaram de dar seguimento ao tratamento, o que tem feito com que os casos aumentem na nossa província explicou.
Entre as outras causas de aumento da tuberculose, que já foi considerada a “doença dos pobres”, Rodrino Ndavoca destacou a tentativa de cura por métodos tradicionais, procura tardia dos cuidados médicos, incumprimento da medicação e falta de normas de prevenção para impedir o contágio aos membros da família e da comunidade, assim como a própria pobreza.
Além disso, o uso excessivo de bebidas alcoólicas, drogas, a diabetes e a sida são outros factores que tornam as pessoas mais vulneráveis à tuberculose, salientou o supervisor.
A província do Huambo tem unidades de diagnóstico e tratamento da tuberculose nos municípios do Catchiungo, Mungo, Caála, Ucuma, Bailundo e do Londuimbali.
Para este ano, o programa de luta contra a tuberculose na província  pretende abrir centros de controlo da doença em todos os municípios, particularmente nos que ainda registam muitos casos.
O sector da Saúde na província  continua a trabalhar com as autoridades tradicionais a nível das vilas e aldeias, para se esclarecerem as causas e os métodos de prevenção da doença, sublinhou Rodrino Ndavoca, que aconselha os doentes da tuberculose a seguirem com rigor as orientações médicas, para se reduzir os índices de propagação do bacilo de Cock e os óbitos que têm se registado em várias localidades.

Tempo

Multimédia