Províncias

Um milhão de pessoas sobrevivem das florestas

Pelo menos, um milhão de pessoas residentes nas zonas rurais da província do Huambo sobrevivem das florestas de miombos, produzindo carvão para vender e abatendo árvores para dar lugar a campos de cultivo agrícola.

Muitas florestas estão a ser devastadas para fabricar carvão
Fotografia: DR

A revelação foi feita sexta-feira, na região, pela investigadora e professora universitária Virgínia Quartim, no encontro alargado sobre problemas ambientais, desafios e soluções, promovido pelo Gabinete do Ambiente, Gestão de Resíduos e Serviços Comunitários.
Virgínia Quartim disse que as referidas pessoas, cuja segurança alimentar depende das florestas de miombos, representam uma séria ameaça para a sobrevivência da espécie.
A também vice-reitora para área científica e pós-graduação da Universidade José Eduardo dos Santos informou que entre 2002 a 2015 houve uma redução, na província do Huambo, de 30 por cento de florestas de miombos, em consequência de actividades agrícolas e exploração de carvão vegetal e lenha.
Estimou que diariamente, em média, são devastados o equivalente a 200 campos de futebol, cifra que pode colocar em risco a continuidade das florestas de miombos nos próximos 18 anos, caso não sejam adoptadas medidas de protecção e conservação.
Sublinhou que a acção do homem está a afectar seriamente a biodiversidade, afirmando que a taxa de corte de árvores é muito superior à de regeneração das plantas.
Miombo, expressão usada em línguas bantu, é um género de árvore que inclui um grande número de espécies, ocupando a maior parte das florestas da África Austral e Central, cobrindo uma área de 2,7 milhões de quilómetros quadrados. Abrange vários países e é um dos ecossistemas mais importantes do mundo.

Tempo

Multimédia