Províncias

Via-férrea é a locomotiva da região

Marcelino Dumbo|Huambo

Depois de 19 anos de paralisação, os comboios do Caminho-de-Ferro de Benguela voltam a apitar na província do Huambo ainda este ano para impulsionarem o desenvolvimento da região.

Actividade do CFB impulsionou o nascimento de vilas e cidades ao longo da linha
Fotografia: Jornal de Angola

Depois de 19 anos de paralisação, os comboios do Caminho-de-Ferro de Benguela voltam a apitar na província do Huambo ainda este ano para impulsionarem o desenvolvimento da região.
A garantia foi dada na cidade do Huambo, pelo vice-ministro dos Transportes para a Área Ferroviária, José João Kuvingua. O representante do CFB no Huambo, Pedro Boavida, disse à nossa reportagem que a empresa foi fundada a 28 de Novembro de 1902 por Robert Williams e a linha-férrea foi inaugurada a 10 de Junho de 1929. A via liga o porto do Lobito à fronteira nordeste e foi a “locomotiva” que permitiu desenvolver a região centro.
Ao longo dos anos nasceram vilas e cidades à volta do caminho-de-ferro e foram transportados milhões de passageiros. O CFB foi essencial para o desenvolvimento das actividades comerciais e para o escoamento do cobre do Katanga, na República Democrática do Congo. O Caminho-de-Ferro de Benguela, do Lobito à fronteira, tem um percurso de 1.348 quilómetros. 
José Fundões entrou no CFB em 1953. Nessa altura as locomotivas eram a vapor e trabalhavam a lenha: “nessa altura o comboio estava no auge, transportando milhões de toneladas de carga e passageiros. As nossas oficinas do Huambo eram consideradas das melhores em África”. José Fundões recorda que ao longo dos anos e até 1975 as oficinas do Huambo do CFB reparavam locomotivas da Zâmbia e do Congo Democrático.
Pedro Boavida recorda que com o início dos conflitos, em 1992, a circulação ferroviária do CFB, paralisou, e, a linha-férrea foi destruída. Com a paz, em 2002, começou a reabilitação do caminho-de-ferro: “foi reconstruída a ponte sobre o rio Cunhongamua, no troço Huambo-Calenga, que foi destruída por sabotagem”.
Em 2002 e até 2008 foi restabelecida a circulação ferroviária entre o Huambo e Calenga, no município da Caála com as duas locomotivas ainda operacionais. Mas as obras de modernização da linha levaram à paragem dos comboios. Em 20 de Maio de 2008, o Executivo adjudicou as obras de reparação do Caminho-de-Ferro de Benguela.

Tempo

Multimédia