Províncias

Vítimas das chuvas recebem apoio

Justino Vitorino | Huambo e Kayila Silvina | Mbanza Congo

Mais de 40 famílias da aldeia de Kanjonde, no Huambo, afectadas pelas chuvas, receberam chapas de zinco, cimento, portas, janelas e bens alimentares, para minimizar a carência e facilitar o realojamento.

Os bens foram entregues à população de Kanjonde afectada pelas chuvas pela Administração Municipal da Tchicala Tcholohanga
Fotografia: Santos Pedro

As famílias, que ficaram sem as suas residências devido às fortes chuvas que caiem na região, receberam outros bens de primeira necessidade da Administração Municipal de Tchicala Tcholohanga.
“A situação é preocupante e é nosso dever acudir às populações afectadas pelas chuvas, que neste período estão a ser acompanhadas por fortes ventos”, frisou a administradora municipal,Luísa Ngueve.
Em Dezembro do ano passado, acrescentou, a chuva destruiu centenas de casas, escolas, centros e postos de saúde, postos de iluminação pública, pontes e culturas agrícolas. 
A administradora de Tchicala Tcholohanga informou que o município registou também mortes por descargas eléctricas e outras ocorrências resultantes das chuvas, mas assegurou que tudo está a ser feito para ajudar os sinistrados.
Luísa Ngueve aconselha a população a não se abrigar junto de cabos eléctricos quando estiver a chover. Os adultos devem evitar que as crianças frequentem ou se aproximem das valas de drenagem e se abriguem debaixo das árvores.
O regedor da aldeia de Canjonde, João Comandala, apontou as “puxadas”de cabos de energia eléctrica e a construção de casas em zonas de risco e à beira dos rios e terrenos inclinados como causas dos acidentes durante as chuvas. O regedor João Comandala aconselhou a população a plantar árvores, sobretudo capim elefante e eucalipto,nas zonas de risco.

Desalojamento no Zaire


 As fortes chuvas que caíram nos últimos dias sobre a comuna do Luvo, município de Mbanza Congo, destruíram 56 casas. Em consequência, 336 pessoas ficaram desabrigadas.  
O porta-voz dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros do Zaire,Manuel Mpanzu Cassua, disse ao Jornal de Angola que,além das casas, foram afectadas pelas chuvas quatro casernas do Posto Comunal da Polícia de Guarda-Fronteiras e uma cozinha comunitária.
Segundo o porta-voz, os Serviços de Protecção Civil e Bombeiros registaram este mês na província do Zaire três incêndios de pequenas proporções, que afectaram duas residências, um estabelecimento comercial e um bar, em bairros do município do Soyo. O porta-voz acrescentou que os incêndios registados destruíram 40 sacos de cimento, 25 barrotes, dez janelas, quatro arcas, três portas,um televisor, um fogão e um espelho, danos avaliados em 361.400 kwanzas.
Manuel Cassua apontou como causas dos incêndios a negligência e um curto-circuito, tendo aconselhado a população a ter cuidado com o uso de velas, gás butano e outros produtos inflamáveis.

Tempo

Multimédia