Províncias

Aberto Mercado Municipal do Lubango

Arão Martins | Lubango

Os vendedores do mercado João de Almeida, nos arredores da cidade do Lubango, na província da Huíla, existente há 26 anos, contam, desde o fim de semana, com um novo espaço, com melhores condições e mais segurança, na zona do rio Nangombe, comuna da Quilemba.

O processo de transferência que começou no sábado e decorre novamente a contemplar todos os vendedores que foram registados
Fotografia: Arimateia Baptista | Lubango

Construído numa área de 61 hectares, o  mercado, com três mil bancadas, tem um posto de polícia, câmaras de frio, balneários públicos, armazéns, áreas para os Bancos, zona de circulação e estacionamento de camiões, matadouro e estacionamento de táxis.
O empreendimento foi inaugurado pelo presidente da bancada parlamentar do MPLA e coordenador do grupo de acompanhamento do bureau político do Comité Central à província da Huíla, Virgílio de Fontes Pereira.
Em nome da comissão de vendedores do mercado, António Salomão reconheceu que o antigo mercado João de Almeida não oferecia o mínimo de condições para se exercer a actividade comercial, daí a sua extinção.
Os vendedores estão satisfeitos com a transferência para o novo mercado, sobretudo por estar situado junto à estação dos Caminhos de Ferro de Moçâmedes, o que vai facilitar o transbordo dos produtos provenientes do campo, disse António Salomão.
“Estamos satisfeitos com as condições que encontramos e esperamos conservar este bem público para podermos expor e comercializar os  produtos. O que vimos aqui não tem nada a ver com o anterior mercado, onde não havia o mínimo de higiene para se praticar a actividade comercial”, realçou António Salomão, que solicitou à administração do mercado que não permita que as pessoas comercializem a retalho os produtos fora das bancadas ou  fora do mercado.
A asfaltagem do troço rodoviário entre o Bairro da Mitcha e o Rio Nduva, a  iluminação da via que liga o centro da cidade ao mercado, mais quartos de banho públicos no novo espaço e  uma creche  para os filhos dos vendedores foram solicitados pelos vendedores do novo mercado municipal.
O administrador municipal do Lubango, Francisco Barros, disse que os vendedores estão informados e sensibilizados sobre o encerramento do antigo mercado, local onde agora são  efectuadas obras para escolas e hospitais.
O processo de transferência começou no sábado, decorre sem sobressaltos e abrange todos os vendedores cadastrados e há ainda uma área de expansão, explicou Francisco Barros. O governador da Huíla, João Marcelino Tyipinge, pediu aos vendedores para conservarem as infra-estruturas colocadas à disposição.
O comportamento de alguns vendedores que, depois de o Governo construir mercados com melhores condições, abandonam estes locais sem justificação,  foi criticado pelo governador provincial, que citou como exemplos os mercados dos Nambambi e da Lage.

Tempo

Multimédia