Províncias

Alemanha trata crianças da Huíla

André Amaro| Lubango

Ao todo, 89 crianças da província da Huíla que padeciam de patologias de difícil tratamento no país foram curadas na Alemanha, desde 2002, com o apoio da ONG Kimbo Lombembwa, em parceria com o Instituto Nacional da Criança (INAC).

Chefe da secção de protecção à criança
Fotografia: Amaro|Lubango

Ao todo, 89 crianças da província da Huíla que padeciam de patologias de difícil tratamento no país foram curadas na Alemanha, desde 2002, com o apoio da ONG Kimbo Lombembwa, em parceria com o Instituto Nacional da Criança (INAC).
As crianças, com idades inferiores a 12 anos, tinham problemas de saúde ligados às áreas da cirurgia plástica reconstrutiva, dermatologia, estomatologia, gastrenterologia, ginecologia, oftalmologia, ortopedia, traumatologia e outros.
O tratamento, refira-se, foi efectuado por equipas especializadas compostas por médicos alemães e durou entre um a três anos, de acordo com a natureza e complexidade da patologia de que cada uma das crianças padecia.
A informação foi avançada pela responsável da secção de protecção à criança do INAC na Huíla, Inês Pimentel, quando falava sobre o processo de inscrição e selecção de novas crianças.
 Inês Pimentel disse que  muitas crianças quando saíram do país não falavam, não andavam nem movimentavam os membros superiores e, com o tratamento, voltaram completamente recuperadas, a brincar, falar e andar.
Duas vezes por ano são enviados dois grupos de crianças com patologias complicadas para tratamentos médicos na Alemanha, indo o primeiro em Abril e o segundo em Novembro. O processo de selecção é efectuado por uma equipa de médicos oriunda da Alemanha e obedece a requisitos como pertencer a uma família vulnerável e padecer de um doença cujo tratamento não é possível em Angola, salientou. Das 40 crianças inscritas, a Huíla, na primeira fase do ano em curso, enviou apenas uma criança, por ser a única que preenchia os requisitos exigidos, segundo a responsável da secção de protecção à criança do INAC.  Para a segunda fase, cuja selecção é feita hoje, estão inscritas 35 crianças.

Tempo

Multimédia