Províncias

Alunos estudam em condições pouco dignas

Tatiana Marta |Huambo

Os alunos da escola do I ciclo “Deolinda Rodrigues”, na cidade do Huambo, estudam em condições pouco condignas, devido ao atraso das obras de reabilitação, afirmou ontem, nesta cidade, o director da instituição, António Maria Patrício.

Com salas com excelentes condições de aprendizagem, a transmissão dos conhecimentos fica mais facilitada
Fotografia: Jornal de Angola

Os alunos da escola do I ciclo “Deolinda Rodrigues”, na cidade do Huambo, estudam em condições pouco condignas, devido ao atraso das obras de reabilitação, afirmou ontem, nesta cidade, o director da instituição, António Maria Patrício.

Mais de 800 alunos recebem aulas ao ar livre enquanto duram as obras de restauro da instituição. O director da escola queixou-se dizendo que a situação pode afectar o rendimento académico dos alunos e pediu a intervenção das autoridades da província no sentido da aceleração das obras que já duram há quatro meses.
A escola foi construída em 1953 e precisava de obras de reabilitação, tendo em conta o seu avançado estado de degradação. Mas, segundo o seu director, António Maria Patrício, desde Dezembro do ano passado que as obras começaram e até agora não terminaram. A situação, disse, está a dificultar o trabalho docente.
Maria Patrício reconheceu a importância das obras, mas reclama o seu atraso que, no seu entender, não tem explicação, porque a escola já está recuperada em 75 por cento, faltando apenas a cobertura, alinhamento das paredes e a colocação das portas e mosaicos.       
O director disse que, quando chove, é difícil as crianças voltarem às aulas. “Basta chover pelo menos mais de 30 minutos ou menos, para que as crianças deixem de estudar”, desabafou. Nesta época chuvosa, acrescentou, a instituição regista pouca frequência de alunos, o que tem estado a diminuir a sua capacidade de aproveitamento e rendimento escolar.
Outro problema que aflige a direcção da escola é a falta de um muro que cubra as instalações, que é invadida por pessoas estranhas à instituição e que criam problemas.

Tempo

Multimédia