Províncias

Aumento de mortes por cirrose hepática preocupa autoridades sanitárias da Huíla

André Amaro | Lubango

O aumento de mortes em consequência de cirrose hepática, causada pelo consumo exagerado de álcool e má administração de medicamentos ervanários, está a preocupar as autoridades sanitárias da província da Huíla.

Henriques Chipenda é o Director Geral
Fotografia: Jorn de Angola

O aumento de mortes em consequência de cirrose hepática, causada pelo consumo exagerado de álcool e má administração de medicamentos ervanários, está a preocupar as autoridades sanitárias da província da Huíla.
Em 2011, o Hospital Central do Lubango António Agostinho Neto registou centenas de casos de pacientes com cirrose hepática em estado avançado, dos quais 53 faleceram.  O director-geral do hospital, Henriques Chipenda, manifestou a sua preocupação pelo aumento considerável de casos da doença e de mortes nos últimos anos, e o consumo exagerado de álcool. A maior parte dos pacientes que dão entrada no hospital chegam num estado avançado da doença, resultando por isso em óbito, explicou. Apenas um número reduzido fica curado.
A cirrose hepática é uma doença que se pode prevenir. Para tal, basta que as pessoas deixem de consumir bebidas alcoólicas em excesso, e parem com o uso desregrado de medicamentos ervanários. Além da cirrose hepática, o excesso de álcool está na origem de doenças como a tuberculose, problemas psíquicos, acidente vascular cerebral (AVC), agravamento do VIH/Sida e outras patologias.
Henriques Chipenda disse, por outro lado, que no ano passado se registaram no Hospital Central do Lubango António Agostinho Neto 143 mortes por AVC, 54 por tuberculose e 123 por VIH/Sida.
O responsável disse que estas doenças, tal como a cirrose hepática, podem ser prevenidas, desde que as pessoas acatem as medidas recomendadas. Para o médico, é necessário intensificar os cuidados primários de saúde a nível dos bairros e periferias da cidade, no sentido de sensibilizar as pessoas para se prevenirem de doenças como a malária, cólera, tuberculose, VIH/­Sida e outras.

Tempo

Multimédia