Províncias

Autoridade tradicional dos Gambos preocupada com os roubos de gado

Arão Martins | Gambos

A autoridade tradicional dos Gambos, na Huíla, Katende Canjamba, afirmou na quinta-feira estar preocupado com os constantes roubos de gado que ocorrem na região.

O governador da Huíla João Tyipinge sublinhou que em muitos casos estão envolvidas pessoas das próprias localidades que facilitam o desvio do gado a partir de currais e locais de pasto
Fotografia: Arimateia Baptista|Huíla

A autoridade tradicional dos Gambos, na Huíla, Katende Canjamba, afirmou na quinta-feira estar preocupado com os constantes roubos de gado que ocorrem na região.
Durante um encontro de cortesia com o governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, sublinhou que, em muitos casos de roubo, estão envolvidos os nativos que facilitam o desvio do gado, a partir de currais e locais de pastos.
“Os ladrões de gado tanto são residentes dos Gambos como da Taka”, explicou Katende Canjamba, acrescentando que, para consumar os roubos, os ladrões intimidam os criadores com arcos, flechas, zagaias e outros artefactos. Por isso, solicitou mais apoio das autoridades, para combater os assaltos constantes aos currais, que estão a afectar seriamente a economia da população.
A autoridade tradicional pediu, igualmente, o reforço de equipas de veterinários para combater o carbúnculo, sarna e dermatite nodular.
O governador da  província Huíla reconheceu que o roubo de gado é uma questão antiga na região dos Gambos que preocupa a autoridades tradicionais e administrativas da província, e recordou que já houve reuniões entre os governos das províncias vizinhas, especificamente para traçar estratégias destinadas a combater esta realidade.Marcelino Tyipinge afirmou que o controlo do gado bovino não é apenas feito pelas autoridades policiais, mas também pela própria população, denunciando os ladrões, porque em alguns casos envolve cidadãos devidamente identificados.
“É preciso que essas pessoas sejam denunciadas para serem presentes aos tribunais e responderem criminalmente”, disse.
Na embala dos Gambos, o governador provincial da Huíla, entregou vários bens alimentícios, como arroz, óleo alimentar, farinha de milho, massa alimentar, sementes e instrumentos de trabalho. No município dos Gambos, a sul do Lubango, calcula-se que haja mais de um milhão de cabeças de gado bovino. Entretanto, Katende Canjamba também transmitiu a sua preocupação com a presença, na sua ombala, de um jacaré que ataca frequentemente os animais e ameaça pessoas.
 “Perto da embala existe um jacaré no rio Caculuvar que já devorou muitos porcos, cabritos e está a ameaçar pessoas”, disse a autoridade tradicional, que pediu permissão das autoridades da província para abater animal, porque continuam a constituir uma ameça para a população.
Em resposta, o director da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Lutero Campos, esclareceu que a lei da biodiversidade estabelece que quando o animal se transforma numa ameaça para as comunidades pode e deve ser abatido.

Tempo

Multimédia