Províncias

Brasileiros divulgam belezas naturais do Continente

Kindala Manuel| Lubango

Nesta altura em que decorre o Campeonato de África das Nações (CAN) Angola’2010, as atenções do mundo estão viradas para Angola. No país estão destacados, para a cobertura do CAN, mais de 1.000 jornalistas, entre nacionais e estrangeiros.

A Serra da Leba é um dos pontos turísticos mais emblemáticos da província da Huíla
Fotografia: Kindala Manuel

Nesta altura em que decorre o Campeonato de África das Nações (CAN) Angola’2010, as atenções do mundo estão viradas para Angola. No país estão destacados, para a cobertura do CAN, mais de 1.000 jornalistas, entre nacionais e estrangeiros.

A prova é disputada por 15 selecções africanas de futebol, depois da desistência do Togo. Mas o CAN é mais do que futebol. Além dos jogos dentro das quatro linhas do campoe, os jornalistas estrangeiros têm aproveitado para transmitir aos seus países este grande convívio entre pessoas de diferentes culturas e nações. Juntam-se para trocar conhecimentos, saber dos hábitos e costumes uns dos outros e visitam os melhores locais turísticos.
Os jornalistas brasileiros Haroldo e Mikael Castro, pai e filho, que trabalham na revista brasileira “Época” estão encantados com a cultura e as belezas naturais da província da Huíla. Os dois realizam uma reportagem no Sul e Leste da África com o objectivo de divulgar a cultura e as belezas naturais desta parte do continente. Os seus trabalhos vão ser divulgados em canais de televisão brasileiros e na revista “Época”.
Haroldo Castro, de 57 anos, é o líder da reportagem, denominada “Luzes de África”, que começou em Novembro do ano passado, com partida da Cidade do Cabo na África do Sul, onde têm a sua sede. Além da missão de pesquisa turística e cultural, que é o objectivo principal da reportagem, incluíram no seu roteiro a cobertura dos jogos do CAN’2010, Grupo D, que acontecem na cidade do Lubango.
Haroldo disse que incluiu no roteiro da expedição a cobertura dos jogos para fazer uma simbiose entre a cultura, o turismo e o desporto, no sentido de informar e mostrar ao povo brasileiro e ao mundo a ligação e a influência que o futebol em África exerce na vida das pessoas.
Fotógrafo, jornalista e realizador de documentários, Haroldo Castro e o filho, que é formado em antropologia, defendem que é hora de divulgar as coisas boas que África oferece aos seus habitantes e ao mundo. Basta de imagens de violência sobre o continente que enchem os noticiários internacionais e que, na maior parte das vezes, dão uma visão completamente distorcida da realidade.
“Durante a nossa expedição, pretendemos procurar histórias sobre África que enaltecem o continente. Por causa de algumas informações deturpadas, África tem uma imagem negativa em vários pontos do mundo. Pelo que podemos constatar, esta região não merece esta imagem. O africano é orgulhoso da sua identidade, é alegre, acolhedor e com uma rica e diversificada cultura”, explicou Haroldo Castro.
 Acrescentou que o mundo, cheio de agências para divulgar notícias nada abonatórias sobre África, tem o direito de tomar conhecimento sobre o que vai bem em África. “O nosso trabalho vai no sentido de desmistificar essas notícias com as boas coisas que temos estado a constatar aqui”, salientou.
Os dois jornalistas entraram em Angola por estrada desde a Namíbia. Entrartam em Angola pela fronteira do Cunene e chegaram à Huíla, numa viatura todo-o-terreno, adquirida e montada na Cidade do Cabo e equipada com o que há de mais sofisticado na indústria de captação de imagem e som.

Estádio Tundavala
e destinos turísticos

Haroldo castro disse que no Lubango, ficou encantado com a cultura das pessoas, da cidade, das belezas naturais e, sobretudo, do Estádio Nacional da Tundavala, que considerou "uma imponente estrutura, figura sem igual”.
 Haroldo considerou que o Estádio Nacional da Tundavala é um grande investimento do Governo angolano que vai permitir ao desenvolvimento do desporto, da saúde física e espiritual da população angolana.
Pelas informações que tem sobre os pontos turísticos e a cultura do povo da Huíla, o fotógrafo no seu roteiro pensa visitar tudo o que a província lhe pode proporcionar. Pai e filho já visitaram o Cristo Rei, no Lubango, e ficaram maravilhados. Haroldo acrescentou que estão expectantes em visitar ainda outros pontos turísticos da província.
“Estamos curiosos em conhecer também a famosa Tundavala e fazer imagens das mulheres mumuilas e mucubais, lugares turísticos como a Serra da Leba, a Igreja da Nossa Senhora do Monte, que representa uma cultura religiosa semelhante à da minha terra, no Brasil”, disse Haroldo Castro emocionado.
 Quanto às semelhanças culturais entre o seu país e Angola, Haroldo Castro disse que o povo angolano tem muitos aspectos culturais que se assemelham aos da sua terra, desde a maneira alegre de estar com a vida aos alimentos e, em muitos casos, à própria forma de vestir. Haroldo disse à reportagem do Jornal de Angola que a sua esposa no Brasil é praticante de Umbanda, também conhecida por Candomblé, uma religião que é um misto de adoração de divindades africanas e cristãs. Nesta religião é prática venerar os deuses da natureza, o que se assemelha muito com algumas adorações africanas, sobretudo em algumas regiões de Angola.

Mundial de futebol
na África do Sul

Haroldo e o filho pretendem captar imagens e sons e divulgá-los pelo mundo. O trabalho de reportagem vai ser divulgado em Junho próximo no Brasil, na revista “Época” e em programas televisivos, antes e durante o mundial de futebol de 2010, que vai decorrer na África do Sul, com o grande objectivo de divulgar e promover a cultura africana, para que o povo brasileiro possa ter mais informações e conhecimentos sobre o turismo e a cultura africana.
O projecto “Luzes de África” tem uma duração prevista de oito meses e termina em Junho, data em que os dois jornalistas regressam à África do Sul, o seu quartel general, para fazerem a cobertura do Mundial de futebol de 2010, onde também contam mostrar o mesmo trabalho.
Depois de tomarem contacto com os valores turísticos e culturais de Angola, os dois jornalistas voltam para a Namíbia, seguem depois para a Zâmbia, Tanzânia, Quénia, Malawi e Moçambique, com o desfecho da tournée na África do Sul, em Junho próximo.

Tempo

Multimédia