Províncias

Cada vez há mais crianças no sistema oficial de ensino

André Amaro | Lubango

O sector da Camana, Chibia, já tem, desde a semana passada, uma escola do I ciclo, com cinco salas, construída com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), inaugurada pelo governador da Huíla.

Governador inaugurou uma escola
Fotografia: Benjamin Cândido

O sector da Camana, Chibia, já tem, desde a semana passada, uma escola do I ciclo, com cinco salas, construída com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), inaugurada pelo governador da Huíla.
Isaac dos Anjos também inaugurou, da comuna do Kapunda Kavilongo, outra escola com seis salas, erguida com a colaboração das comunidades e de empresários.
O administrador da comuna, José Mutchipande, lembrou que a entrada em funcionamento das duas escolas permitem melhorar a aprendizagem de centenas de alunos e reduzir o número de crianças fora do sistema de ensino.
Além disso, referiu José Mutchipande, permitem o ensino de adultos.Isaac dos Anjos disse que o número de escolas deixado pelo regime colonial é tão pequeno que é preciso construir muitas mais para satisfazer a procura.
Gostávamos de construir outras infra-estruturas, mas as escolas primárias e os postos médicos constituem prioridade para atingirmos as metas estabelecidas pela Nações Unidas, salientou.

Combate ao analfabetismo

O governador da província, ao inaugurar a escola da Camana, salientou a importância de combater já o analfabetismo para o erradicar até 2014.Isaac dos Anjos disse que em dois anos tem de deixar de haver analfabetos na Camana e pediu a todos os que não sabem ler e escrever que frequentem a escola ou aprendam com quem já sabe.
As crianças que andam na escola, sugeriu, podem ensinar os pais ou encarregados de educação a ler e a escrever e isso não deve constituir motivo de vergonha para os mais velhos.O responsável da UNICEF na Huíla defendeu a adopção no sector da Camana do programa escolas amigas das crianças para melhor a qualidade de ensino e de aprendizagem.
Paulo Medes afirmou que a UNICEF está disponível para apoiar as iniciativas do governo provincial e que foi por isso que colaborou na construção de mais uma escola.

Tempo

Multimédia