Províncias

Centros de Saúde em funcionamento

Estanislau Costa e António Lopes| Lubango

Mais de quatro mil pessoas residentes nas povoações do Rio Unene e Nondjiwe, áreas situadas nos arredores do Lubango, estão a beneficiar de assistência médica e medicamentosa nos novos postos de saúde.

Governador provincial da Huíla João Marcelino Tyipinge durante a jornada de campo que efectuou há dias aos bairros da cidade capital
Fotografia: António Lopes| Lubango

As unidades sanitárias foram entregues pelo governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge. O posto de Saúde do Rio Unene tem sala de consultas, análises clínicas, observação, vacinação e aconselhamento, enquanto na localidade do Nondjiwe, a unidade tem uma farmácia, sala pré-natal, sala de enfermagem, de aconselhamento sobre prevenção de doenças e planeamento familiar.
Fazem ainda parte das áreas de atendimento, um espaço para consultas de grávidas, e alojamento para os médicos em serviço. O programa da Direcção Provincial de Saúde da Huíla garante consultas gratuitas em vários pontos da província, por médicos especialistas.
Uma empreiteira local instalou, também, na povoação um sistema de captação e distribuição de água potável com uma bomba eléctrica alimentada por um painel de energia solar.
O Administrador comunal de Quilemba, Manuel Simões, apelou à população de Nondjiwe para cuidar do novo património como se fosse pessoal, para durar mais tempo e servir as outras gerações. “Devemos conservar os novos equipamentos para manter o seu funcionamento por um longo período”, disse o administrador comunal. Manuel Simões lembrou que com a unidade sanitária, hoje os pacientes já não precisam de andar muito para chegar ao Hospital Central do Lubango, Dr. António Agostinho Neto. “Aqui mesmo, podemos receber bom tratamento e não se paga nada”, afirmou.

Novo mercado
/>O governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, aconselhou os vendedores do mercado do Quilómetro 14, na comuna do Hoque, a comercializarem os seus produtos no mercado erguido para o efeito e não na estrada por ser perigoso para os jovens e adultos.
“O melhor lugar para as pessoas venderem os seus produtos é no mercado com condições adequadas”, disse. E lamentou os vários atropelamentos registados, tendo como vítimas os vendedores que insistem em comercializar próximo da estrada nacional.
O governador falava durante a entrega da segunda fase do mercado da zona conhecida como Desvio, para servir a população da comuna do Hoque e arredores. Os produtores organizados em cooperativas da localidade, receberam equipamentos agrícolas.

Transferência de vendedores


O novo mercado em construção nas imediações do Rio Nangombe, na comuna da Quilemba, vai brevemente acomodar dezenas de vendedores do mercado informal João de Almeida. O local oferece melhores condições de salubridade e espaços dignos para venda de produtos alimentares.
Para a concretização do processo de transferência, foram já distribuídas 3.105 bancadas aos negociantes. O mercado foi projectado para albergar 3500 vendedores concentrados actualmente no mercado informal na margem da estrada.
A praça está a ser implantada numa área de 61 hectares. Consta ainda no projecto a construção de 200 armazéns, um matadouro, posto policial, lojas, área administrativa, agências bancárias e parques de estacionamento.

Tempo

Multimédia