Províncias

Chuvas deixam famílias sem tecto

Arão Martins | Lubango

As fortes chuvas que caíram sobre o município da Jamba, na última semana de Dezembro de 2012 e princípio de 2013, deixaram 1.146 pessoas ao relento, em consequência do desabamento da cobertura de 191 casas.

Serviços de Protecção Civil e Bombeiros continuam a fazer o levantamento dos estragos provocados pelas chuvas na província
Fotografia: Jornal de Angola|

As fortes chuvas que caíram sobre o município da Jamba, na última semana de Dezembro de 2012 e princípio de 2013, deixaram 1.146 pessoas ao relento, em consequência do desabamento da cobertura de 191 casas.
 O porta-voz do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros na Huíla, Emanuel Castro, que prestou a informação ao Jornal de Angola, indicou que foram afectadas famílias que vivem nos bairros Zona A e B, Kwandja, Antero, Pedreira, Zona Académica e Lucundja.
 As chuvas e os ventos fortes afectaram ainda moradias dos bairros Viongue, Malave, Wiela, Aerogare Municipal, Santa Teresinha, Novas Centralidades, Coca-Cola, Ngangula e Comuna de Cassinga/Tchamutete.  As chuvas causaram também o desabamento do tecto de uma escola de 20 salas.
 O administrador municipal adjunto da Jamba, António Bernardo Cahala, informou que cinco pessoas sofreram ferimentos ligeiros.
 António Bernardo Cahala informou que as autoridades competentes já foram informadas e que se aguarda os apoios.  “Aguarda-se a qualquer altura os apoios que se impõem”, disse o administrador municipal adjunto da Jamba, que se situa 315 quilómetros a leste do Lubango. /> No Lubango, as fortes chuvas que caíram na noite de 31 de Dezembro de 2012 causaram a morte de um cidadão de 22 anos, devido ao desabamento do muro da escola 1º de Dezembro, vulgo “Popular”, e afectaram outras 36 pessoas, que ficaram ao relento em consequência das inundações.
 O porta-voz dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros da província da Huíla, Emanuel Castro, informou que como resultado do desabamento de tectos e inundações de residências, vários artigos domésticos foram destruídos.
 Emanuel Castro indicou que foram afectadas famílias que vivem no bairro Lucrécia e Maringa, arredores do Lubango, que já estão a ser apoiadas pelas autoridades competentes. O porta-voz do Serviço de Bombeiros exortou a população a abster-se de construir em locais de risco. Emanuel Castro referiu que o governo da província da Huíla, no quadro do programa de urbanização, está a distribuir terrenos em perfeitas condições e torna-se imperiosa a ocupação e construção nessas áreas, para maior segurança das populações.

Tempo

Multimédia