Províncias

Combate à mortalidade infantil

Arão Martins | Lubango

A redução da mortalidade em crianças menores de cinco anos, por poliomielite e sarampo na província da Huíla exige a colaboração da sociedade civil, disse na cidade do Lubango, Benjamim Hilifavali da Direcção Provincial de Saúde. 

A redução da mortalidade em crianças de cinco anos na Huíla exige a colaboração do governo e da sociedade civil
Fotografia: Arimateia Baptista

A redução da mortalidade em crianças menores de cinco anos, por poliomielite e sarampo na província da Huíla exige a colaboração da sociedade civil, disse na cidade do Lubango, Benjamim Hilifavali da Direcção Provincial de Saúde. 
 Benjamim Hilifavali esclareceu, no lançamento da terceira fase de vacinação contra a poliomielite e o sarampo, que dado o aumento de casos o país mobilizou-se e está a realizar mais uma campanha nacional de vacinação.
Na província da Huíla foram  imunizadas 597.202 crianças até aos cinco anos contra a poliomielite e 507.522 menores dos nove meses aos cinco anos contra o sarampo. A campanha  permitir ainda  ministrar Vitamina A  a  537.482 crianças dos nove meses aos cinco anos e 477.762 crianças de um aos cinco anos vão ser desparasitadas com albendazol. O administrador municipal do Lubango adjunto, Domingos Wango, esclareceu que mais de 171.159 crianças foram  vacinadas contra a pólio. A administração municipal do Lubango e o Governo Provincial da Huíla assumiram os custos de aluguer de viaturas, vacinas, lanches e treino do pessoal.
O coordenador da Organização Mundial da Saúde na Huíla, José Gomes, disse que a imunização contra a poliomielite, sarampo e as vitaminas e as desparasitações são as intervenções de saúde pública mais rentáveis.
José Gomes afirmou que actualmente a imunização salva entre dois a três milhões de vidas por ano. Acrescentou que as actividades de mobilização social, que têm sido desencadeadas pela Organização Mundial da Saúde, através das Agencias das Nações Unidas e ONG, Ministério da Saúde, da Direcção Provincial de Saúde, administrações municipais e comunas, contribuem positivamente para salvação de milhares de vida. A campanha decorre numa altura em que nove municípios da província da Huíla registam casos de sarampo, na ordem de 133 casos que resultaram em 15 óbitos, declarados pelo sistema de vigilância epidemiológica.Apesar dos casos, José Gomes afirmou que a província da Huíla vem alcançando avanços significativos na erradicação da pólio e o aumento das coberturas de vacinação de rotina.
A Organização Mundial de Saúde e os parceiros na província da Huíla reiteram o compromisso de tudo fazer, através do apoio em recursos humanos, materiais e financeiros, para garantir que se atinjam as metas traçadas.
José Gomes exortou os coordenadores de áreas, vacinadores, mobilizadores e supervisores, para que durante a campanha façam todos os esforços para garantir que os pais levam os filhos aos postos de vacinação nas escolas, casas de coordenadores, sobas, administrações de bairros e kimbos para que as crianças sejas vacinadas.

Tempo

Multimédia