Províncias

Combate cerrado ao analfabetismo na Huíla

André Amaro|

O número de pessoas analfabetas na província da Huíla está a reduzir significativamente, devido a execução do Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar (PAA), levado a cabo pela direcção provincial da Educação e parceiros.

Os homens são os que menos aparecem às aulas de alfabetização que está a dar uma nova visão sobre a sociedade
Fotografia: Kindala Manuel

O número de pessoas analfabetas na província da Huíla está a reduzir significativamente, devido a execução do Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar (PAA), levado a cabo pela direcção provincial da Educação e parceiros.
No presente ano lectivo, 46 mil e 194 populares, com maior realce para senhoras, frequentam o curso de alfabetização em todos os municípios, cujos professores foram capacitados para o efeito.
O facto foi revelado pelo inspector chefe da Direcção Provincial da Educação da Huíla, Luís Kambinda, à margem das comemorações do 8 de Setembro, consagrado como o Dia Internacional da Alfabetização.
Durante a cerimónia, que decorreu sob o lema “Angola alfabetizados, Angola em marcha”, Luiz Kambinda disse que o executivo local está preocupado em reduzir o índice de analfabetos, “por isso está a desenvolver um conjunto de acções com vista a contemplar o maior número de pessoas que não sabem ler nem escrever”.
“A nível da província da Huíla, o Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar decorre a bom ritmo, na medida em que a cada ano o número de pessoas matriculadas aumenta significativamente”, referiu.
De acordo com Luís Kambinda, no presente ano estão matriculados no primeiro modelo (1ª e 2ª Classe) 27 mil 760 alfabetizando e 18 mil e 434 no segundo (3ª e 4ª Classe), cujo aproveitamento é positivo. O processo de alfabetização, sublinhou, está a ser levado a cabo a nível das escolas, mercados informais, instituições religiosas, quartéis e conta com o envolvimento de 450 alfabetizadores da província.
Ao ler a mensagem dos alfabetizados, Albertino Ângela referiu que “saber ler e escrever é importante para um cidadão deixar de ser dependente dos outros e passar a entender o mundo de forma mais ampla”.
Sublinhou que além da aprendizagem da escrita e da leitura, o processo de alfabetização ensina os alunos a protegerem o meio ambiente, a cultivar bons hábitos de higiene e a observar as medidas preventivas de doenças.

Tempo

Multimédia