Províncias

Comuna de Ngalangue já tem água potável

Arão Martins | Ngalangue

A comuna de Ngalangue, na província da Huíla, dispõe, desde quinta-feira, de água potável, com a inauguração, naquele dia, do sistema de produção, armazenamento e distribuição.

O projecto executado no âmbito do programa "Água para Todos" custou aos cofres do Estado milhões de kwanzas
Fotografia: Arão Martins | Ngalangue

A comuna de Ngalangue, na província da Huíla, dispõe, desde quinta-feira, de água potável, com a inauguração, naquele dia, do sistema de produção, armazenamento e distribuição.
O projecto, executado no âmbito do programa “Água Para Todos”, custou aos cofres do Estado 18,9 milhões de kwanzas.
O director provincial da Energia e Água disse que o sistema vai fornecer água potável a três mil pessoas, que vivem na sede comunal, 105 quilómetros a norte da sede municipal do Cuvango.
O abastecimento e distribuição, afirmou Abel da Costa, são garantidos por um reservatório, com capacidade para seis mil metros cúbicos e com uma extensão de rede de 40 ligações domiciliares.
O projecto, que compreende também um fontanário, seis pontos de água e tratamento, é auxiliado com captação de água por sistema solar.
O administrador comunal de Ngalangue, Fernando Cambinda, afirmou que a população está, naturalmente, satisfeita com a inauguração do sistema, que vai contribuir para a redução de casos de doenças provocadas pelo consumo de água imprópria. Além deste, há outros projectos em curso em Ngalangue, tendo o administrador prometido que, a partir de Novembro, a comuna vai ter mais duas escolas, do ensino primário e secundário do primeiro ciclo, cujas obras estão em fase avançada.
As escolas, cada uma delas com seis salas, estão a ser construídas no quadro do programa integrado de combate à fome e à pobreza.
Neste projecto, a administração comunal investiu mais de 43 milhões de kwanzas.
Este ano lectivo, disse Fernando Cambinda, foram matriculados mais de 18 mil alunos, nas 46 escolas da comuna.
Mesmo assim, frisou, devido à falta de salas, 11.786 crianças estão fora do sistema de ensino.

  Saúde com melhorias

As condições de assistência médica e medicamentosa vão melhorar consideravelmente no próximo ano, com a entrada em funcionamento do novo posto de saúde, que está a ser construído na sede da comuna, cujas obras orçam em 15 milhões de kwanzas.
Ngalangue tem nove unidades sanitárias, duas delas construídas de raiz, e dez técnicos.
A construção de três postos médicos, um na sede comunal, outro no Quilómetro 50 e o último, na aldeia de Chicunho, trouxe grandes benefícios às populações. 
As obras foram executadas no quadro do programa de Investimentos Públicos (PIP), do governo provincial da Huíla, do biénio 2009-2010.
Fernando Cambinda salientou que o sistema de serviço de saúde municipalizado trouxe vantagens à comuna, pois permite o fornecimento gratuito de medicamentos.
As doenças mais frequentes na comuna são as respiratórias, a malária e diarreicas agudas.
A actividade comercial na comuna, disse, é feita de forma limitada, mas há sinais de melhorias, tendo em conta que “alguns empresários, embora de forma tímida, têm investido”.
O governador da Huíla visitou a comuna, onde observou os projectos em desenvolvimento, no âmbito do programa de combate à fome e à pobreza.
Isaac dos Anjos, acompanhado por elementos do governo provincial, pediu maior envolvimento da população na fiscalização e execução das obras. O governador anunciou, às milhares de pessoas presentes, que as escolas que estão a ser construídas na comuna devem estar prontas em Novembro, por altura das comemorações do 36º aniversário da Independência Nacional, e a reabilitação dos 28 quilómetros de estrada entre o desvio que vai do município de Chipindo à sede comunal de Ngalangue.
A população pediu ao governador a reabilitação das três pontes no mesmo troço para viabilizar a livre circulação de pessoas e bens, sobretudo no tempo chuvoso.
A comuna de Ngalangui tem cerca de 46.200 habitantes, maioritariamente ganguelas e ovimbundos, cuja principal actividade é a agricultura, a criação de gado, a pesca artesanal, a apicultura e a caça.

Tempo

Multimédia