Províncias

Consumo de drogas pesadas com proporções alarmantes

André Amaro

A Direcção Provincial de Investigação Criminal (DPIC) na Huíla manifestou, quarta-feira, na cidade do Lubango, preocupação com o surgimento de focos de tráfico e consumo de drogas pesadas, como cocaína e “crack”, em determinados círculos sociais.

A Direcção Provincial de Investigação Criminal (DPIC) na Huíla manifestou, quarta-feira, na cidade do Lubango, preocupação com o surgimento de focos de tráfico e consumo de drogas pesadas, como cocaína e “crack”, em determinados círculos sociais.
O chefe de Departamento de Combate ao Narcotráfico da DPIC, intendente Adérito Raúl, que falava das estratégicas adoptadas pelas autoridades policiais para travar a produção, tráfico e consumo de drogas, referiu que o narcotráfico na província está a atingir proporções alarmantes, uma vez que o número de traficantes e consumidores tende a crescer.
Adérito Raúl revelou que os traficantes de droga na província são pessoas com grandes capacidades financeiras e que utilizam meios modernos durante a realização da sua actividade ilícita.
“No passado, a província registava apenas casos de drogas leves, mas, nos últimos tempos, existem focos de drogas pesadas, com o envolvimento de indivíduos com poder financeiro”, afirmou o oficial da Polícia Nacional.
O alto funcionário da DPIC na Huíla reconheceu que o combate ao tráfico e consumo de droga pesada depara-se com inúmeras dificuldades derivadas da falta de meios adequados.
Adérito Raúl referiu que, no ano passado, foram registados 60 casos de pessoas envolvidas em tráfico de droga leve, que resultaram na apreensão e destruição de mais de 1.000 quilos de liamba e 3.700 plantas em municípios da Huíla.
A Polícia Nacional, disse, tem efectuado na província da Huíla operações de prevenção e contenção da criminalidade nos principais pontos de entrada e saída, particularmente no aeroporto internacional da Mukanka.

Tempo

Multimédia