Províncias

Crianças com deficiência são formadas na Huíla

Estanislau Costa| Lubango

Mais de quatro mil alunos portadores de deficiência do Ensino Primário e do I e II Ciclo do Ensino Secundário, da província da Huíla, foram contemplados, no ano lectivo transacto, no Programa de Inclusão Escolar, iniciado há cinco anos, criado com o propósito de estimular as crianças em idade escolar a gostar e ser amiga da escola.

Lubango é a cidade do país com o maior número de alunos com necessidades educaticas especiais com um registo de milhares de crianças
Fotografia: Estanislau Costa| Lubango

Os dados apresentados pelo director provincial da Huíla da Educação, Américo Chicoti, num encontro que serviu para fazer o balançodo Programa de Inclusão Escolar, com a participação de responsáveis e técnicos do sector, concluem que esta acção está, a cada ano lectivo, a incluir um número maior de crianças no sistema de ensino e aprendizagem.
Américo Chicoti informou que a quantidade de admissões de crianças em idade escolar e a qualidade do processo de ensino e aprendizagem, com vista a melhor formação e aumento de quadros em várias especialidades, constitui uma das apostas do Executivo, por isso é fundamental o engajamento de todos os actores da educação.
O encontro, que avaliou os pressupostos necessários para melhorar a selecção e transmissão de conteúdos, condições para avaliar a teoria a prática e concessão de metodologias inovadoras aplicáveis a cada disciplina, recomendou aos professores a serem mais activos no ano lectivo de 2015. O foco principal do Programa de Inclusão Escolar são as crianças com necessidades educativas especiais, de modo que, apesar das debilidades congénitas ou adquiridas por doença ou acidentes, tenham o direito de ingressar numa escola que ofereça condições específicas para se formarem e inserirem-se em acções úteis ao progresso do país.
“O professor da escola do ensino especial deve estar preparado a ajudar convenientemente e de forma esclarecedora todas as crianças com necessidades educativas especiais, buscando soluções plausíveis para as situações que possam surgir no dia-a-dia da actividade académica”, disse o director da Educação.

Centro de diagnóstico


Américo Chicoty anunciou que a escola foi transformada em Centro de diagnóstico e, nesta perspectiva, se torna necessário definir as estratégias de actuação dos estabelecimentos do ensino especial neste ano lectivo e rever o mapeamento destas instituições de inclusão nos municípios. Chicoty defendeu, igualmente, linhas mestras que estabeleçam parcerias entre a escola do ensino especial e outras instituições, assim como o envolvimento de toda a sociedade no tratamento das crianças com deficiências.
No ano lectivo findo, o Projecto de Inclusão Escolar funcionou em 177 escolas da província da Huíla e envolveu 1.134 professores. O Jornal de Angola apurou que a sede da província, Lubango, figura como a localidade que possui mais alunos com necessidades educativas especiais, com registo de 938 crianças, no ano lectivo de 2014, seguido de Chipindo, com 295.
O Projecto de Inclusão Escolar prevê, também, transformar a Escola de Ensino Especial do Lubango num centro de referência para a formação de professores com habilidades para trabalharem com todos os alunos portadores de deficiência ou que necessitem de cuidados educativos especiais.

Formação de professores


A Escola de Ensino Especial, situado no bairro da Mapunda, arredores da cidade do Lubango, com 18 salas de aulas, apetrechadas com equipamentos sofisticados e apropriados que se desenvolver o processo de instrução e educação de crianças portadoras de deficiências, prevê formar novos professores para a região sul e não só.
O imóvel, que possui vários gabinetes administrativos, área para a prática agrícola, salas de leitura para deficientes visuais, surdos e auditivos, está agora em condições de efectuar diagnósticos que permitem determinar o grau de deficiência de cada criança. De acordo com o director provincial da Educação da Huíla, a detecção do grau de deficiência de uma criança facilita aidentificação das ferramentas necessárias à sua formação e a selecção do tipo de professor necessário ao processo de aprendizagem.

Tempo

Multimédia