Províncias

Cuvango dá prioridade à segurança alimentar

DOMINGOS MUCUTA | Lubango

A Administração Municipal do Cuvango vai apostar fortemente no incentivo à agricultura, através de apoios aos agricultores, para garantir o aumento da produção e a auto-suficiência alimentar das populações.

Miguel Luís fala dos seus projectos
Fotografia: ARIMATÉIA BATISTA | LUBANGO

 

A Administração Municipal do Cuvango vai apostar fortemente no incentivo à agricultura, através de apoios aos agricultores, para garantir o aumento da produção e a auto-suficiência alimentar das populações.
O novo administrador do Cuvango, Miguel Luís, empossado pelo governador da Huíla, Isaac dos Anjos, considerou o sector da Agricultura como a principal alavanca para o combate à pobreza no município, situado a 315 quilómetros do Lubango. Miguel Luís acrescentou que os incentivos à cultura do milho, feijão e hortícolas vão permitir aos camponeses produzir alimentos necessários para a sua sobrevivência e escoar os excedentes para os mercados nas zonas urbanas.
A aposta, sublinhou, passa por disponibilizar alfaias agrícolas aos camponeses associados em cooperativas e aos fazendeiros. Também está prevista a construção de celeiros de feijão e milho, para alimentar as comunidades.
O novo administrador do Cuvango defendeu a reabilitação das vias secundárias e terciárias, para permitir o escoamento dos produtos do campo. Miguel Luís salientou ainda a necessidade de desenvolver rapidamente o sector da Agricultura, que está muito fraco, aproveitando o clima favorável e a época das chuvas.  O objectivo, disse o administrador, é reactivar a produção agrícola para que o Cuvango resgate a hegemonia na produção de hortícolas, ostentada antes da Independência Nacional. A par da agricultura, o administrador do Cuvango diz que vai apostar na extensão do sistema de ensino a todas as comunas, com o objectivo de permitir a inserção de crianças que estão sem estudar, por falta de salas e professores. Miguel Luís disse que as comunas têm os núcleos de educação constituídos, mas é preciso construir mais escolas, contratar professores  e garantir-lhes alojamento para acabar com o fenómeno de crianças fora do sistema normal de ensino.
A assistência sanitária das populações vai merecer também uma atenção redobrada por parte da administração de Miguel Luís. O Cuvango vai ver reforçado o fornecimento e regular de medicamentos, através do Programa de Municipalização dos Serviços de Saúde, que também contempla hospitais, postos médicos e centros. O governador provincial da Huíla, Isaac dos Anjos, exigiu mais rigor e responsabilidade dos administradores municipais na execução dos programas traçados pelo governo, que visam a solução das principais preocupações dos munícipes. Isaac dos Anjos disse que os administradores municipais precisam  de compreender a componente económica, social e política que o país vive, para melhor administrarem o território sob sua jurisdição.
O governador da Huíla entende que o desenvolvimento só é possível com a integração de todas as forças vivas da sociedade, com talento e coragem, a fim de promoverem o progresso.
“O país está a viver momentos importantes do ponto de vista político, mas o fundamental é a unidade, a igualdade de todos os cidadãos, a integração plena dos cidadãos independentemente da origem étnica, racial e cultural”, frisou Isaac dos Anjos. O governador das Huíla espera do novo administrador do Cuvango a promoção do desenvolvimento da parte leste da província e das regiões limítrofes com o Kuando-Kubango e Bié.
Isaac dos Anjos explicou que a rotação dos administradores municipais é feita com base na Lei 17/10, que regula os órgãos locais do Estado e impõe como requisito o grau de licenciado na nomeação para o cargo de administrador municipal. O governador da Huíla defendeu a necessidade dos territórios serem administrados por pessoas com capacidade de integração e unidade nacional.

Tempo

Multimédia