Províncias

Cuvango quer incluir mais projectos no programa de combate à pobreza

ARÃO MARTINS | Lubango

O fornecimento de energia eléctrica, a partir da bacia hidrográfica do rio Cuvango, na província da Huíla, vai melhorar, nos próximos tempos, com a efectivação do projecto de reabilitação da barragem hidroeléctrica local.

O fornecimento de energia eléctrica, a partir da bacia hidrográfica do rio Cuvango, na província da Huíla, vai melhorar, nos próximos tempos, com a efectivação do projecto de reabilitação da barragem hidroeléctrica local.
 O administrador municipal do Cuvango, João Hilifilua, disse ontem que o objectivo do seu pelouro é incluir futuramente o projecto nos programas de combate à pobreza, levado a cabo pelo Executivo, e do governo da província para a sua revitalização.
 Aquele responsável informou que a barragem fornecia energia eléctrica 24 horas por dia até 1983. Desde então, o sistema ficou paralisado, devido ao conflito armado que assolou a região.
João Hilifilua referiu também que na margem do rio Kubango existe um canal de irrigação artificial com uma extensão de aproximadamente cinco quilómetros.
 A energia eléctrica, na sede municipal do Cuvango, é fornecida por uma central térmica com capacidade de 550 KVA para atender 1.000 beneficiários directos e 500 indirectos. O administrador disse que com a revitalização da bacia hidroeléctrica existente no município, os níveis deviam ser superiores para o bem das populações.
 “É objectivo da nossa administração incluir nos programas futuros a sua reabilitação para multiplicar ainda mais os níveis de produção de hortícolas, frutas e cereais”, adiantou.
 A bacia hidrográfica do Cuvango tem na margem esquerda, como principal afluente o rio Cutato, cujo curso serve também de linha de separação com a província do Kuando- Kubango. João Hilifilua acrescentou que a referida bacia possui como afluentes os rios Ávila, Mbale, Cusso e Tchimbalembale, ricos em diversas espécies de pescado e lontras.

 Níveis de produção positivos

O responsável referiu que a actividade agrícola constitui a principal ocupação nativa, baseando-se fundamentalmente na exploração de culturas de sequeiro. Por esse motivo, a administração municipal aposta na capacitação dos camponeses. O administrador municipal do Cuvango informou ainda que, face aos apoios, durante a campanha agrícola 2010/2011, os níveis de produção foram considerados positivos. João Hilifilua referiu a colheita de 12.253 toneladas de milho, 373 de massango, 32 de massambala e 1.508 de feijão.
 O dirigente mostrou-se esperançoso em relação à abrangência de 11 associações de camponeses, com 70 membros a beneficiar do crédito de campanha, que está a ser desenvolvido pelo Executivo junto dos bancos.
 Outra actividade que a administração municipal do Cuvango tem para dinamizar é a apicultura. Esta prática, segundo o administrador, é realizada em toda a extensão da região, que dista 315 quilómetros a leste da cidade do Lubango. O administrador João Hilifilua defendeu o aumento da capacidade financeira dos agentes económicos com créditos bonificados para aumentarem as transacções comerciais.
 O município do Cuvango tem 31 lojas, 18 restaurantes e similares. Cuvango tem ainda duas panificadoras com capacidade para produzir 2.000 pães por dia.

Tempo

Multimédia