Províncias

Cuvango reforça cuidados primários de saúde

Domingos Mucuta | Cuvango

Os cuidados primários às populações das comunidades do município do Cuvango, na Huíla, contam com 70 agentes comunitários de saúde, formados para garantir assistência aos doentes das zonas recônditas e sem acesso aos serviços.

Os agentes comunitários receberam meios para garantir a assistência aos pacientes das zonas recônditas e sem acesso aos serviços
Fotografia: Domingos Mucuta | Cuvango

Os agentes sanitários, formados num curso promovido pela administração municipal do Cuvango, à luz da estratégia de aproximação dos serviços às comunidades, estão prontos para prestar os primeiros socorros aos pacientes, na ausência de enfermeiros ou médicos.
O objectivo do curso, cujo encerramento foi presidido pela vice-governadora para o Sector Político e Social, Maria João Chipalavela, é evitar a morte de cidadãos, provocada por doenças simples que podem ser resolvidas por um técnico comunitário.
Os novos técnicos comunitários receberam motorizadas e malas de primeiros socorros, com antibióticos, bálsamo, á­gua oxigenada, álcool etílico, soro fisiológico, anestesia, ligaduras, adesivos, tesouras e outros instrumentos necessários para o primeiro atendimento.
O director da empresa promotor do curso, Vladimir Valter, disse que o projecto de formação de agentes comunitários e parteiras tradicionais começou há dois anos na província do Bengo e em Cabinda. O curso do Cuvango completa o ciclo de formação de 2.500 agentes comunitários.
Vladimir Valter disse que a iniciativa inclui equipar os agentes comunitários com meios fundamentais para melhor exercício da sua função, enquanto se a­guarda a deslocação de um médico para a realização de consultas aos membros das comunidades de difícil acesso.
“Apoiamos os agentes com meios de transporte, sobretudo motociclos, e medicamentos para que possam atender de forma eficaz os doentes, sempre que forem chamados a intervir. Só em casos graves os pacientes podem ser encaminhados para o médico ou este ser chamado para ir à aldeia”, disse.
A vice-governadora Maria João Chipalavela enalteceu a iniciativa da empresa em apoiar a Administração Municipal na formação de agentes de saúde, necessários em comunidades onde os serviços de saúde ainda são inacessíveis.
O administrador municipal do Cuvango, Miguel Luís, sublinhou a aposta das autoridades na expansão da rede sanitária, que neste momento conta com 21 unidades hospitalares, entre centros médicos, postos de saúde e um hospital de referência, devidamente equipado.

Tempo

Multimédia