Províncias

Diminuem conflitos laborais

A Direcção Provincial da Huíla do Ministério da Administração Pública Emprego e Segurança Social (Mapess) registou, durante o primeiro semestre, 34 conflitos de trabalho, observando uma redução de 18 casos, comparativamente ao último semestre de 2009.

Muitos operários são despedidos dos empregos sem justa causa
Fotografia: Nicolau Vasco

A Direcção Provincial da Huíla do Ministério da Administração Pública Emprego e Segurança Social (Mapess) registou, durante o primeiro semestre, 34 conflitos de trabalho, observando uma redução de 18 casos, comparativamente ao último semestre de 2009.
O chefe do departamento provincial de Inspecção do Trabalho do Mapess, Venâncio Gualtério Joaquim, disse no domingo à Angop, no Lubango, que 70 por cento destes casos ocorreram em empresas privadas. Durante o período em referência, o sector registou igualmente 23 casos de despedimento anárquico e três por atrasos salariais, além de um caso de violação de licença de maternidade, já remetido à Procuradoria. Segundo Venâncio Joaquim, a redução de conflitos deve-se ao trabalho árduo de sensibilização que a instituição tem levado a cabo em todas as empresas públicas e privadas, transmitindo informações sobre a Lei Geral do Trabalho. O Mapess, garantiu o responsável, vai continuar a desenvolver este trabalho, para que as empresas acatem com maior ênfase as normas estabelecidas no instrumento jurídico-laboral. “Uma das maiores dificuldades com que nos deparamos neste domínio é a falta de inspectores capazes de responder à procura da nossa actividade, em toda a extensão da província da Huíla, uma vez que neste momento funcionamos apenas com três, quando o ideal seriam 11”, realçou.
Em 2009 o Mapess registou 56 conflitos laborais na Huíla.

Tempo

Multimédia