Províncias

Donos de lavras destruídas recebem apoio

Arão Martins | Mulondo

Idosos da comuna de Mulondo, município da Matala, que viram destruídas as suas lavras por manadas de elefantes, estão a receber apoio alimentar do Governo Provincial da Huíla e da Administração Municipal da Matala.

Governador provincial da Huíla Marcelino Tcipinje chefiou uma delegação multisectorial para avaliar a situação das localidades atingidas pela seca e pela acção dos elefantes
Fotografia: Arimateia Baptista |

O administrador comunal de Mulondo, Zeca Mupinga, informou na sexta-feira que um total de 50 lavras de camponeses das localidades de Tchicuacusse, Mapupo, Camunhandi, Mantuntu e Lonji foi destruído por manadas de elefantes. A situação agudizou-se ainda mais com os efeitos da seca nestas localidades, afectando 17 mil pessoas, mais de metade da população da comuna, que possui cerca de 25 mil habitantes.
As lavras destruídas pelos elefantes eram as poucas que tinham resistido às consequências da seca. Nelas estava cultivado milho, massango e massambala. Nesta altura do ano, esclareceu Zeca Mupinga, por não existirem lavras com mantimentos, os elefantes deslocam-se aos quimbos, onde também provocam estragos.
O Governo Provincial, através da direcção local de Assistência e Reinserção Social e da Administração Municipal da Matala, já começou a prestar apoio às populações com produtos diversos, como arroz, farinha de milho e sal de cozinha.
O administrador informou que, numa primeira fase, os apoios em bens alimentares abrangeram os idosos. As comunidades estão a propor que seja autorizado o uso de foguetes para afugentar os animais, uma vez que a bater tambores e outros instrumentos os elefantes já não fogem.

Mais Educação e Saúde


Ao referir-se ao sector da Educação, Zeca Mupinga disse que o ensino primário e o I ciclo estão a ser a grande aposta das autoridades, uma vez que o número de alunos que frequentam estes níveis na comuna sede do Mulondo aumentou consideravelmente.
Com a entrada em funcionamento da nova escola, com seis salas, inaugurada no princípio deste ano lectivo, a comuna matriculou cinco mil alunos.
A grande preocupação das autoridades comunais tem a ver com o número de professores, que ainda é muito insuficiente. Mulondo tem 30 professores efectivos e 50 em regime de colaboração e para colmatar este défice, a comuna precisa, de acordo com o administrador, de cerca de 70 docentes efectivos.
Em relação aos serviços de saúde da comuna, o administrador salientou o facto de ter havido melhorias significativas, graças ao Programa de Combate à Pobreza. Além da reabilitação do posto na sede comunal, o abastecimento de medicamentos é feito de forma regular.
A comuna passou também a dispor de uma ambulância, no quadro do Programa de Combate à Pobreza, o que está a facilitar o transporte de doentes da sede para o município, sobretudo de casos graves.
O efectivo de enfermeiros, apesar de ainda ser insuficiente, foi reforçado com a colocação de enfermeiros nos postos de saúde da sede comunal e outras localidades, com destaque para o sector de Quiteve. A reabilitação e apetrechamento de residências para professores e enfermeiros são outros ganhos que Mulundo tem registado nos últimos dias.

Desenvolvimento agrícola

O aumento do número de membros de associações e cooperativas de camponeses tem sido outra das apostas da administração comunal, em parceria com a secção municipal da Agricultura da Matala.
“Estamos a incentivar a população a aproveitar o potencial das áreas férteis ao longo da margem do rio Cunene”, disse Zeca Mupinga. A comuna possui três associações de camponeses e de criadores de gado nas localidades de Camunhandi, Quiteve e sede. A pesca fluvial também está a registar avanços. Para incentivar a actividade, pescadores associados receberam da Administração Municipal e da direcção provincial da Agricultura redes e anzóis.
Para ser possível atender as mais de 25 mil cabeças de gado bovino, é necessário reabilitar, pelo menos, duas mangas de vacinação e o tanque banheiro, e dispor de uma motobomba para o seu enchimento, referiu o administrador comunal durante a visita do governador provincial da Huíla, Marcelino Tchipinje àquela localidade.
No quadro do Programa de Combate à Pobreza, a administração da Matala vai, ainda este ano, reabilitar mais escolas e postos de saúde.

Tempo

Multimédia