Províncias

Duas unidades sanitárias estão encerradas por falta de técnicos

Arão Martins | Chicomba

Duas unidades sanitárias no município de Chicomba, província da Huíla, situadas concretamente na localidade de Tchitapua e nos arredores da sede municipal, estão encerradas por falta de técnicos, informou ontem, ao Jornal de Angola, o director municipal da Saúde em exercício, Lotes Faria.

Hospital Municipal de Tchicomba precisa de mais de 50 profissionais para dar resposta ao volume de ocorrências diárias
Fotografia: Jaimagens/fotógrafo

“O encerramento destas unidades está a criar enormes constrangimentos à população local, pois é obrigada a percorrer longas distâncias em busca de assistência médica”, disse Lotes Faria, acrescentando que, para a reabertura dos referidos centros hospitalares são necessários, no mínimo, 20 profissionais.

“Devido ao défice de técnicos no sector da Saúde no município, os programas de vacinação e de vigilância epidemiológica não atingem os níveis desejados”, frisou o responsável. Lotes Faria fez saber que no Hospital Municipal de Chicomba existem apenas 15 técnicos de várias especialidades. “Para satisfazermos as necessidades de assistência médica da população, o hospital municipal precisa de mais de 50 técnicos. Com este número, teríamos entre três a quatro técnicos em cada centro médico do município”, estimou.
O responsável da Saúde de Chicomba disse que a resolução desta situação não passa pelo sector que dirige, pois cabe à Administração Municipal e ao Governo Provincial procederem ao recrutamento de trabalhadores.
A falta de medicamentos anti-palúdicos é também uma das grandes preocupações que assola o sector da Saúde local, pois a malária afecta sistematicamente um número elevado da população. “Recebemos anti-palúdicos em quantidades irrisórias, em relação ao número de pacientes que aflue todos os dias às unidades sanitárias com paludismo”, informou.
No primeiro semestre do ano em curso, segundo Lotes Faria, mais de 20 pessoas morreram por causa da malária. “Apesar de o gráfico estar estável, comparativamente ao semestre passado, continuamos preocupados por não termos medicamentos suficientes, mas estamos a envidar esforços para reduzir o índice de mortalidade no município”, sublinhou. O município de Chicomba, situado a 220 quilómetros da cidade do Lubango, tem 17 unidades hospitalares, das quais duas estão inoperantes pelas razões aludidas. Habitado por 131.807 habitantes, a região é potencialmente agrícola.

Tempo

Multimédia