Províncias

É urgente legislação do sangue

O director clínico do Hospital Central do Lubango “António Agostinho Neto”, Zola Diakusekele, manifestou ontem no Lubango (Huíla), a necessidade urgente de criação de lei relativa à transfusão de sangue, dada a existência de seitas contrárias a este processo, afectando maioritariamente as crianças indefesas por vontade dos pais.

O director clínico do Hospital Central do Lubango “António Agostinho Neto”, Zola Diakusekele, manifestou ontem no Lubango (Huíla), a necessidade urgente de criação de lei relativa à transfusão de sangue, dada a existência de seitas contrárias a este processo, afectando maioritariamente as crianças indefesas por vontade dos pais.
Em declarações à Angop, na perspectiva do estabelecimento de normas capazes de reger e uniformizar a actividade do médico no país, o responsável apontou as crianças como as principais vítimas da “vaidade” dos pais quando também têm o direito de não querem morrer pela religião destes ao insistirem em não permitir a doação. Algumas unidades sanitárias, disse, contornam este procedimento exigindo documentação escrita pelas famílias a solicitar e explicar porquê a criança não deve ser transfundida, mas aconselhou os parentes a darem aos seus filhos a possibilidade de crescerem e escolherem o seu próprio futuro.
No entanto, acrescentou o responsável do Hospital Central do Lubango, afigura-se também pertinente a criação de normas a usar para o tratamento uniformizado (protocolo terapêutico) para as hepatites e doenças sexualmente transmissíveis, para permitir uma actividade uniforme dos médicos e levá-los a trabalhar da mesma forma.

Tempo

Multimédia