Províncias

Educação quer celeridade na emissão de certificados

Domingos Mucuta | Lubango

As escolas da Huíla com classes de transição para níveis de ensino seguintes têm de emitir rapidamente os certificados de habilitações dos finalistas para lhes permitir continuarem a estudar, alertou, ontem, no Lubango, o director provincial da Educação.

As escolas da Huíla com classes de transição para níveis de ensino seguintes têm de emitir rapidamente os certificados de habilitações dos finalistas para lhes permitir continuarem a estudar, alertou, ontem, no Lubango, o director provincial da Educação.
Américo Chicoty disse que o atraso na emissão de certificados de habilitações é, todos os anos lectivos, das principais preocupações de alunos, pais e encarregados de educação.
O atraso na atribuição de diplomas, afirmou Américo Chicoty, tem, muitas vezes, condicionado a continuação dos estudos de muitos estudantes, que terminaram com êxito o ciclo formativo.

Gestão escolar

A direcção provincial da Educação, referiu, promoveu um seminário sobre gestão escolar com objectivo de transformar as escolas em instituições dinâmicas, livres de burocracia e preparadas para responder aos problemas dos alunos.
“Devemos desburocratizar o funcionamento das instituições escolares, sobretudo a área administrativa, para servirem melhor a comunidade e darem confiança aos encarregados de educação”, declarou Américo Chicoty.
Os directores, insistiu o chefe local da Educação, precisam de avaliar periodicamente o desempenho dos professores e dos alunos, pois os cumprimentos das orientações superiores são importantes.

Comparticipação dos encarregados

A falta de um regulamento sobre a participação de pais e encarregados de educação na gestão escolar foi uma das preocupações levantada, no seminário, por directores recentemente formados em gestão escolar, na cidade do Lubango.
O regulamento da comparticipação dos pais, realçaram, é um documento que deve estipular os valores a cobrar pelos serviços prestados nas escolas públicas.
Os participantes consideram que o regulamento é um instrumento complementar da gestão escolar, que pode contribuir para mudar a imagem actual das escolas públicas e comparticipadas.
O director provincial da Educação disse que o regulamento da comparticipação dos pais e dos encarregados de educação está a ser preparado com muita atenção para estabelecer as regras mais adequadas e evitar más interpretações.
Na Huíla, refira-se, estão em curso várias acções para inserir todas as crianças no sistema normal de ensino e aprendizagem.

Tempo

Multimédia