Províncias

Empresa inicia processo de recrutamento

Domingos Mucuta| Lubango

Pelo menos 75 trabalhadores do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes (CFM) vão ser aposentados no decurso do presente ano, informou a directora dos recursos humanos da instituição.

Empresa promove concursos públicos para admisão de novos quadros e já admitiu técnicos médios e superiores para todas as áreas
Fotografia: JA

Joana Luís, que falava à margem das III Jornadas de Orientação para a Reforma, disse que os trabalhadores com 35 anos de serviço vão passar à reforma, a maioria dos quais é pessoal ligado à área de assentamento da via.
As Jornadas, inseridas no Programa de Orientação para a Reforma, destinaram-se a preparar os funcionários em idade de reforma para desfrutarem desta etapa da vida profissional, sem preocupações. O processo está a ser orientado por técnicos do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), médicos e nutricionistas. Os trabalhadores reformados vão ter benefícios, como compensação e pensão de reforma. O Programa de Orientação para a Reforma é abrangente, interdisciplinar e benéfico, com resultados satisfatórios.
“Os trabalhadores tinham ilações negativas sobre a reforma. Muitos, por falta de preparação, entram no consumo de bebidas alcoólicas e outros em depressão profunda”, disse Joana Luís.
Em relação ao processo de renovação, disse que a empresa está a promover concursos públicos para admissão de novos quadros e já admitiu técnicos médios e superiores para todas as áreas da empresa, com destaque para as de recursos humanos, finanças, mecânicas, revisores, bilheteiras e maquinistas. Os novos funcionários vão garantir os serviços nas 57 novas estações, no troço Namibe/ Lubango até ao Kuando-Kubango. O consultador para a aérea de recursos humanos do CFM, João Saveia, disse que a orientação está a contribuir para a informação e preparação dos funcionários no sentido de compreender a importância do trabalho e da fase de reforma para a vida social.
“O que se espera no fim é que as pessoas estejam preparadas e informadas sobre como vai ser a vida a partir de agora e que possibilidades podem encontrar para ter melhor qualidade de vida.
As pessoas são reformadas no trabalho e não na vida”, sublinhou. Em 2012, os Caminho-de-Ferro de Moçâmedes passou à reforma cem trabalhadores.

Tempo

Multimédia