Províncias

Empresas disputam quadros formados na Humpata

André Amaro | Lubango

Quadros técnicos formados pelo Instituto Médio Politécnico do município da Humpata, nos últimos dois anos, estão a ser requisitados para trabalhar em empresas privadas do ramo da construção civil e industrial, na província da Huíla.

Directora Constância dos Santos
Fotografia: André Amaro| Humpata

Quadros técnicos formados pelo Instituto Médio Politécnico do município da Humpata, nos últimos dois anos, estão a ser requisitados para trabalhar em empresas privadas do ramo da construção civil e industrial, na província da Huíla.
A directora do instituto, Constância dos Santos, explicou que, desde 2008, altura em que a instituição começou a funcionar, já foram formados 381 quadros médios, nas especialidades de construção civil e electricidade.
Alguns deles arranjaram trabalho na indústria, mais concretamente nas fábricas da cerveja Ngola, Coca-Cola, Empresa Nacional de Electricidade (ENE), empresas de construção civil, enquanto outros estão a frequentar o ensino superior nos Institutos Politécnicos das províncias do Huambo, Namibe de Luanda.
Este ano, vão concluir os seus cursos 226 técnicos médios nas áreas de construção civil, electricidade, instalação e informática.
Constância dos Santos garante que os alunos formados pela instituição encontram facilmente trabalho, porque a formação que recebem é completa e alia a teoria à prática. A partir da 11ª classe, acrescentou, têm efectuado estágios em empresas de construção civil e electricidade, onde os melhores são quase sempre admitidos como funcionários. “Para cada especialidade temos as respectivas oficinas e laboratório e os alunos têm a oportunidade de fazer estágios em determinadas empresas, de modo a desenvolverem competências e habilidades específicas”, explicou.
Os formandos aperfeiçoam as técnicas através das cadeiras de Práticas Oficinais, Tecnologia de Construção Civil, Tecnologia de Electricidade, Desenho Técnico, Instalação de Equipamento e Geometria Descritiva.

Pequenas empresas


A introdução da disciplina de empreendedorismo no Instituto Médio Politécnico da Humpata está a incentivar a criação de pequenas empresas no ramo da construção civil, na Huíla.
Muitos alunos finalistas juntaram-se e criaram pequenas brigadas que vão prestando serviço nas áreas de construção civil, electricidade e informática.
Constância dos Santos adiantou que, com a ajuda dos familiares, alguns técnicos formados pelo Instituto adquiriram kits e optaram por trabalhar por conta própria, ensinando a profissão e empregando outros jovens.
Agostinho Avelino, 20 anos, aluno da 11ª classe, na especialidade de electricidade e instalações, integra uma brigada de construção civil que realiza obras de pequenas demissões nos arredores da cidade do Lubango. A brigada, explicou ele ao Jornal de Angola, é coordenada por um primo formado em construção civil pelo Instituto Politécnico da Humpata, em 2010, e integrada por seis jovens, entre canalizadores, electricistas, pedreiros, ladrilhadores e ajudantes.
Para Agostinho Avelino, que só trabalha nas horas em que não tem aulas, a experiência está a ser positiva, porque consegue pôr em prática os conhecimentos que tem apreendido na escola e ensinar outros jovens. Cecília Moumbe, finalista do curso de informática, faz serviços de instalação de programas em lojas, bases de dados para empresas públicas e privadas, reparação de computadores.
Para ela, o maior desafio é abrir uma pequena empresa de informática. Por isso, está a pensar recorrer aos préstimos do Balcão Único do Empreendedor (BÚE), no município da Humpata.  “Este ano termino o curso Técnico Médio de Informática e não gostava de trabalhar para um patrão, mas sim de abrir a minha pequena empresa de reparação de computadores, instalação de programas, redes e outros sistemas informáticos”, sublinhou.

Tempo

Multimédia