Províncias

Ensino superior com milhares de vagas

Arão Martins | Lubango

A Universidade Mandume Ya Ndemufayo admitiu para o novo ano académico o número recorde de 1.639 estudantes, anunciou sábado, no Lubango, o reitor da instituição.

Reitor Orlando da Mata defendeu a melhoria da qualidade dos cursos ministrados
Fotografia: Arimateia Baptista

Orlando da Mata, que falava na cerimónia de abertura do ano académico, disse que concorreram 6.349 candidatos às vagas existentes. Este ano, foi adoptado um novo formato de exame de acesso, baseado em disciplinas de Ciências Sociais, Ciências Biológicas e de Saúde, Ciências Exactas e Engenharia, assim como Magistério Primário.
Este modelo de exame único, segundo o reitor, melhorou a organização do processo e o desempenho dos candidatos, diminuindo a pressão sobre eles, pois até agora os alunos eram submetidos a várias provas.
“Os candidatos do Namibe ou da Huíla não precisaram de se deslocar de uma província para outra, para realizarem os respectivos exames”, disse.
Orlando da Mata frisou que a investigação científica e a preparação da pós-graduação contribuem para a instauração de um ensino de qualidade, com reflexos no desenvolvimento económico e social do país.
O reitor afirmou que a universidade pública da Huíla deve desenvolver competências profissionais alinhadas com o potencial agro-industrial e mineral da região, de modo a contribuir para o crescimento da economia.
Orlando da Mata considera necessária a criação de Centros de Estudos e Investigação Cientifica em todas as unidades orgânicas da Universidade Mandume Ya Ndemufayo e Institutos Superiores da Huíla e Cunene, além de cursos de especialização e mestrado a médio prazo.
“Vamos igualmente encontrar os meios capazes de aferir e assegurar a qualidade dos cursos que, no futuro, vão ser ministrados nas nossas instituições, para que possamos responder às orientações e preocupações do Presidente da República, quando se referiu à necessidade da ‘revolução qualitativa” que devemos dar ao subsistema de ensino superior”, disse.

Cursos de mestrado

A Faculdade de Direito da Universidade Mandume Ya Ndemufayo ministra, em colaboração com o Centro de Pesquisa em Políticas Públicas e Governação Local da sua congénere da Universidade Agostinho Neto, o mestrado em Governação e Gestão Pública.
Por sua vez, a Faculdade de Economia remeteu ao órgão de tutela, para homologação, a proposta de criação dos mestrados em Contabilidade e em Empreendedorismo e Desenvolvimento. “Pensamos que, com o funcionamento destes cursos de pós-graduação, vamos marcar mais um passo rumo à excelência que muito desejamos”, disse o reitor.
Orlando da Mata admitiu a grandeza dos desafios que se apresentam a médio prazo, mas sublinhou que, para serem superados, a universidade conta com 228 docentes, dos quais 106 em regime integral e 122 em tempo parcial. Do total, 15 professores têm o grau académico de doutor, 85 fizeram o mestrado e 130 são licenciados.
A universidade admitiu 114 professores cubanos, no quadro dos acordos de cooperação geral entre Angola e Cuba.

Tempo

Multimédia