Províncias

Ensino superior começa a funcionar na Matala

Estanislau Costa * | Matala

A expansão do núcleo do Instituto Superior de Ciências da Educação da  província da Huíla (ISCED) para o município da Matala, 180 quilómetros a leste da cidade do Lubango, vai, no próximo ano lectivo, permitir aos jovens finalistas do ensino médio prosseguir os estudos em diversas especialidades.

A expansão do núcleo do Instituto Superior de Ciências da Educação da  província da Huíla (ISCED) para o município da Matala, 180 quilómetros a leste da cidade do Lubango, vai, no próximo ano lectivo, permitir aos jovens finalistas do ensino médio prosseguir os estudos em diversas especialidades.
 Os jovens e adultos vão deixar de percorrer longas distâncias até a cidade do Lubango para tentarem a uma vaga numa das faculdades da Universidade Mandume Ya Ndemufayo, ISCED ou nas universidades privadas.
 O responsável da repartição municipal de Educação na Matala, Augusto João, disse ao Jornal de Angola que a iniciativa surge num momento importante para o município, na medida em que foram construídas e abertos ao público estabelecimentos de ensino de ­vários níveis.
Na Matala estão criadas as condições necessários para o arranque do ensino superior com destaque para as salas, local para alojar os docentes que vão assegurar o curso normal das aulas e aspectos administrativos e curriculares.
 O primeiro ano do núcleo do ISCED, afirmou, vai funcionar no período nocturno porque a maioria dos candidatos é de funcionários públicos. Os estudantes inscritos nos cursos de História, Biologia e Psicologia vão fazer os testes de acesso brevemente, apenas aguardam a chegada à sede da comissão organizada.
 O Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla tem já um núcleo a funcionar no município da Chibia, com 105 estudantes, entre eles funcionários da administração municipal, professores, enfermeiros, comerciantes e jovens residentes na vila.
 Depois de Chibia e Matala, os próximos núcleos são abertos nos municípios de Caluquembe e Caconda. O director-geral adjunto do ISCED, Carlos Pinto, disse que a extensão da universidade em vários pontos da província vai descongestionar a procura de vagas no Lubango.
 
Contratação de professores

“Estamos empenhados em descongestionar o centro universitário principal do Lubango, para ­fazer com que os jovens e outras pessoas com o ensino médio concluído, tenham facilidade em continuar os estudos de nível superior sem terem que se deslocar do município onde habitam”, sublinhou Carlos Pinto.
O ensino superior abrangente aumenta a formação académica dos professores inseridos nas escolas de vários municípios.
Os docentes da central, são os mesmos que vão leccionar nos novos núcleos e a direcção da instituição vai elaborar horários que impeçam a sobreposição de aulas e permitam conjugar da melhor forma a actividade docente.
Os técnicos que vivem nos municípios que tenham um currículo compatível com a docência universitária podem candidatar-se a uma vaga.
 Carlos Pinto informou que a instituição trabalha junto do Ministério do Trabalho para contratar mais docentes: “caso seja ainda impossível admitir novos docentes por ausência no mercado local, o núcleo universitário vai funcionar em regime de contrato administrativo com o financiamento do próprio curso”.
 
Entrega de certificados

As duas instituições públicas da Huíla, Instituto Superior de Ciências da Educação e Faculdade de Economia da Universidade ­Mandume Ya Ndemufayo, entregaram, no principio do corrente mês, 495 diplomas aos licenciados, num acto testemunhado pelo secretário de Estado para Ciência e Tecnologia, João Teta e o vice-governador provincial da Huíla para área Política e Social, Arão Nataniel.
 Os licenciados contemplados foram formados, desde 2008, pelo ISCED nos cursos de Informática Educativa, Psicologia, Matemática, Biologia, Português, Inglês, Francês, Química, História, Pedagogia, Filosofia, Física e Geografia. Pela Faculdade de Economia, o curso de Gestão.
 Durante os seus 31 anos de existência, o ISCED formou 2.021 estudantes em várias especialidades das Ciências da Educação. Nos últimos quatro anos, terminaram a parte curricular 180 estudantes e 280 defenderam a tese de licenciatura.
 A escola de Ensino Superior está localizada na sexta região académica de Angola e tem autonomia, factor fundamental para criar e desenvolver novos projectos de âmbito científico. Estão assim criadas as condições para a investigação científica e melhorar a qualidade de ensino.
 A média de licenciados passou de 86 para 280 nos últimos quatro anos. Carlos Pinto explica que o crescimento de defesas de tese se deve ao reforço dos professores, criação de um incentivo financeiro e a abertura do trabalho de fim de curso em grupo.
 A escola superior tem 4.862 estudantes nos períodos da manhã, tarde e no curso pós-laboral. Asseguram a actividade lectiva 127 professores com os graus de  licenciatura, mestrado e doutoramento.

Tempo

Multimédia